Clicky

INTERNET

Autor do PL das 'fake news' sugere cortar imposições às plataformas e deixar debate para CGI.br

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/06/2020 ... Convergência Digital

Para evitar um dos pontos mais controvertidos do projeto de lei sobre ‘fake news’, o autor do PL 2630/20 no Senado Federal, Alessandro Vieira, propôs a retirada do texto dos artigos que tratam de obrigações impostas às plataformas online na moderação de conteúdo, bem como as agências de checagem de fatos. 

“Um ponto que gerou bastante ruído, porque não tem consenso técnico global é a questão da moderação de conteúdo e a checagem dos fatos. Apresentamos como sugestão ao relator a supressão de todo aquele texto, muito forte ali no artigo novo, tudo aquilo fica retirado para uma discussão posterior”, afirmou o senador Alessandro Vieira ao participar de debate nesta segunda, 1º/6, promovido pela Frente Digital, uma frente parlamentar pela economia digital. 

A ideia, explicou, é deixar essa parte para um debate mais aprofundado, coordenado pelo CGI.br “A gente sugere que se encaminhe a um grupo de trabalho a ser montado e conduzido pelo Comitê Gestor da Internet para que em 12 meses apresente proposta de um código de conduta para plataformas e checadores de fatos no tocando à desinformação”, completou. 

Entre elas, o projeto de lei determina que os provedores de aplicação, por exemplo Facebook ou Whatsapp, devem “rotular o conteúdo desinformativo como tal”, e ainda “interromper imediatamente a promoção paga ou a promoção gratuita artificial do conteúdo”. Para saber o que é informação correta, há um grande empoderamento das chamadas agências de verificação, ou checagem. Não por menos, a principal preocupação de entidades de direitos digitais é que projeto obriga as plataformas a fazer filtragens de conteúdo. 

“É fundamental que seja possível construir mecanismos de regulação dessas empresas. A grande discussão é regular sobre o que, a partir de que princípios. Nós nos filiamos às iniciativas a combater a desinformação. Mas ela não precisa ser feita a partir da regulação de conteúdo, especialmente uma vez que será por agentes privados, sejam redes de conteúdo ou agencias de checagem”, pontuou Bia Barbosa, da Coalizão Direitos na Rede. 

No Senado, o colégio de líderes marcou a votação do projeto em Plenário já nesta terça, 2/6. Como alerta Bia Barbosa, é um movimento prematuro uma vez que não se conhece ainda o texto que será submetido aos senadores. “Se relator não incorporar as sugestões [do autor], se incorporar criminalização de condutas, como tem defendido. Precisa incorporar os disseminadores externos, contratados para milhões de disparos. Marcar para amanhã um texto que não se conhece na véspera é um atropelo”. 


Revista Abranet 32 . set-nov 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
O ano de 2020 marca os 25 anos da internet comercial no Brasil e confirma que ela é fundamental para a economia e a vida cotidiana. PIX, Wi-Fi 6, LGPD, white spaces, numeração para SCM... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Proliferação de serviços streaming faz crescer o “consumidor bumerangue”

Segundo a Kantar Ibope Media, no lugar de assinar simultaneamente as várias opções, se torna mais comum a troca constante de serviços. 

TSE desmente notícias e descarta cobrança de multa por justificativa no e-Título

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) esclarece que não procede a informação de que o órgão estaria cobrando indevidamente multa dos eleitores que fizeram sua justificativa via aplicativo e-Título, no último dia 15 de novembro, data do primeiro turno.

Facebook exclui 140 mil postagens com desinformação sobre eleições

Publicações desestimulavam voto ou continham informações erradas. Rede social também informa que rejeitou 250 mil anúncios que não deixavam claro se tratarem de propaganda política. 

WhatsApp bane mais de mil contas após denúncias recebidas em canal do TSE

Plataforma conjunta com o TSE recebeu 4759 denúncias de 27 de setembro a 15 de novembro.

Indicado de Bolsonaro suspende julgamento no STF sobre presidente bloquear cidadãos em redes sociais

Para o relator, Marco Aurélio Mello, Bolsonaro não pode impedir comentários uma vez que não se restringe a publicar temas de ordem pessoal. Kassio Nunes pediu destaque e adiou indefinidamente o julgamento. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G