Clicky

Rede segura do governo vai usar faixa do 4G e bane Huawei como fornecedor

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/02/2021 ... Convergência Digital

Na guerra comercial entre Estados Unidos e China, o Brasil buscou um caminho do meio. Como reforçado pelo ministro das Comunicações Fabio Faria nesta sexta, 26/2, a decisão foi não intervir nas decisões das operadoras brasileiras sobre a rede comercial do 5G. Mas o governo vai adotar uma rede “segura” de comunicações, na qual só podem ser usados equipamentos de empresas com ações na Bolsa de Valores do Brasil. 

“Na rede privativa temos exigência de acordo com o mercado acionário brasileiro. Isso já está precificado. Alguns países usam a mesma coisa. Temos que preservar nossas informações sensíveis e tirar a ideia que estão espionando o governo brasileiro. Então a gente resolveu limpar toda a comunicação segura”, afirmou Faria ao participar de coletiva de imprensa sobre o edital do 5G, recém aprovado pela Anatel. 

No entendimento do Ministério das Comunicações, a restrição está na Portaria 1.924, quando prevê que devem ser “utilizados equipamentos projetados, desenvolvidos, fabricados ou fornecidos por empresas que observem padrões de governança corporativa compatíveis com os exigidos no mercado acionário brasileiro. Significa que fabricantes de equipamentos ações com ações no Brasil, como é o caso da Ericsson e da Nokia, estão no jogo. A Huawei, não. 

Já na rede comercial, não há restrições. As operadoras usarão os equipamentos que quiserem. "O resto a gente tem que deixar para o livre mercado. O governo Bolsonaro é um governo liberal que deixa o próprio mercado se resolver. Não seria justo, vendo o lado liberal, que a gente pudesse fazer uma interferência em todo o país", completou o ministro das Comunicações. 

O Minicom informou à Anatel que o leilão do 5G deve prever até R$ 1 bilhão para construção dessa rede privativa. Mas no que diz respeito à parte da rede móvel incluída no projeto, serão usados os 5+5 MHz na faixa de 700 MHz que já foram destinados, ainda no leilão do 4G, para aplicações de segurança pública. 

De acordo com o conselheiro da Anatel Carlos Baigorri, relator da versão final do edital do 5G, além da rede móvel a ser instalada na capital federal, o projeto inclui uma rede fixa nacional. “Como é com a faixa de 700 MHz, imagino que vai ser uma rede 4G privativa de governo. E depois tem a rede fixa que vai interconectar entre 6 mil ou 8 mil estações, órgãos, prédios da administração pública para criar uma rede privativa, uma grande intranet do governo federal. E teria camada de aplicações de criptografia sobre essas redes”, explicou.


Internet Móvel 3G 4G
Vivo lança e-Sim IoT para expansão de negócios no Brasil

Toda empresa que adquirir a solução poderá fazer a adequação do ciclo de vida dos SIM Cards, desde testes durante o processo de desenvolvimento e produção até a implantação do serviço para o cliente final. A Vivo, segundo Anatel, detém 36% de participação de mercado de M2M.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Oi lança carteira digital via WhatsApp

Parceria com Conta Zap, serviço permite pagar contas, fazer recarga de celular, enviar e receber dinheiro. Ideia é permitir crédito por mensagens também. 

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G