"Fatiamento" da Oi está fora do escopo do novo Marco Legal de Telecom

Ana Paula Lobo* ... 07/10/2019 ... Convergência Digital

Os jornais espanhóis voltaram a divulgar nesta segunda-feira, 07/10, uma possível negociação da Telefónica, dona da Vivo, com a América Móvil, dona da Claro, e a Telecom Italia, dona da TIM, para realizarem, de forma conjunta, a compra de ativos de telefonia móvel da Oi, a quarta operadora de telecomunicações no Brasil, que se encontra em recuperação judicial.

Mas do ponto de vista legal, essa possibilidade inexiste, mesmo com a revisão do Marco Legal de Telecomunicações, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, na sexta-feira, 04/10. A nova Lei não abre espaço para esse tipo de negociação. Um outro dado relevante: o posicionamento do Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE. Até então - antes da mudança dos seus membros - não havia muita simpatia com a consolidação nas telecomunicações brasileiras. O ponto de vista foi colocado durante a autorização concedida à Claro para comprar a Nextel.

“O Cade está atento não somente à evidente concentração atual do mercado, como já visto, mas também quanto aos desdobramentos que a implantação de uma tecnologia crucial pode trazer e seus impactos ao ambiente concorrencial. A recomendação da aprovação da presente operação tem como uma das premissas a existência de rivalidade entre as quatro maiores operadoras”, apontou o parecer da superintendência geral.

As especulações servem para as ações da Oi apresentarem valorização na Bolsa de Valores nesta segunda-feira, 07/10. Os analistas financeiros, entre eles, do Bradesco BBI, não falam da impossibilidade da transação pela Legislação em vigor, mas sustentam que "a transição de um mercado móvel de quatro para três empresas no Brasil beneficiaria todas as operadoras, pois permitiria uma concorrência de preços mais racional e melhor distribuição do espectro, além das sinergias absorvidas por quem adquirir a Oi”, escreveram Fred Mende e Guilherme Haguiara, em relatório divulgado pela Agência Reuters.

*Com Agência Reuters e com colaboração de Luis Osvaldo Grossmann


Internet Móvel 3G 4G
TikTok e WeChat decidem enfrentar o governo de Donald Trump

Empresas afirmam que vão usar todos os recursos disponíveis para garantir o Estado de Direito. O governo Trump proibiu o uso dos aplicativos chineses. Medida entra em vigor em 45 dias.

Anatel recria 10 colegiados após extinção por Decreto presidencial

Uso do Espectro, Defesa dos Usuários, Prestadoras de Pequeno Porte, Aferição da Qualidade, Ofertas de Atacado, Acompanhamento de Redes são alguns dos grupos reestabelecidos pela agência. 

Reclamações contra oferta de banda larga crescem 40% com a quarentena da Covid-19

Queixas na Anatel cresceram especialmente a partir de março. No conjunto dos serviços, agência recebeu 1,52 milhão de reclamações entre janeiro e junho. Também houve um aumento de 20% com relação à telefonia móvel.

Oi quer corte de dívida com Anatel por desequilíbrio na concessão

“Tem que fazer um PGMU mais leve para que a gente possa respirar”, defende a diretora regulatória, Adriana Costa. Anatel esclarece que concessão não é sinônimo de lucro garantido. 

Huawei defende reserva de 500 MHz da faixa de 6GHz para as teles

Para o diretor da Huawei Brasil, Carlos Lauria, a reserva técnica é a melhor garantia para aguardar a evolução da tecnologia. "Se der tudo agora, não tem como voltar atrás depois", observa o executivo.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G