Home - Convergência Digital

Detox digital:"Empresas precisam descer do salto e entender as pessoas", diz executivo da BRQ

Convergência Digital - Carreira
Por Fábio Barros - 19/06/2019

O chefe de Pensamento Exponencial da BRQ Digital Solutions, René de Paula Jr., diante de uma plateia ávida por inovação e disrupção no CIAB Febraban 2019, realizado de 11 a 13 de junho, em São Paulo, fez provocações com relação ao equilíbrio - ou a falta dele - na relação do ser humano com a tecnologia. O especialista acredita que inovação e disrupção estão desconectadas de um propósito real e solidário e que, para encontrá-lo, as pessoas precisam de se desconectar das telinhas.

Ele lembrou que, por mais que as pessoas tenham foco, sempre algo é deixado de fora. “A questão é que sempre deixamos escapar algo quando focamos demais, e eu acho que as coisas mais importantes são as que deixamos passar”, afirmou. O executivo lembrou que as pessoas hoje partem de premissas comuns, que precisam ser mais bem compreendidas. Um exemplo é o propósito, que realmente ajuda quem quer ter impacto. “Mas só o propósito não basta, muitas pessoas com propósito causaram grandes estragos à humanidade”, comparou.

Outro ponto citado por ele foi arrogância que vem daqueles que acham que, ao otimizar um problema para um, estão otimizando para todos. Aqui o exemplo são as redes sociais que, ao contrário do que imaginaram seus criadores, são utilizadas de diferentes formas em cada lugar do mundo. “Precisamos entender que o mundo não é padronizado e que as reações são locais”, disse.

O elemento que pode ajudar a resolver a equação, na opinião de René, são as pessoas e o seu potencial de colaboração. Maior exemplo disso é que os grandes problemas enfrentados nos ambientes corporativos não dizem respeito à tecnologia, mas à cultura e a reação que ela provoca frente à tecnologia. “As empresas precisam descer do salto e entender as pessoas. E as pessoas precisam sair das telinhas e viver. Em uma sociedade tão técnica, já é hora de percebermos coisas mais importantes”, defendeu, lembrando que o verdadeiro impacto virá desta postura.

Para o executivo, a verdadeira inovação deve atender critérios como autonomia, desenvolvimento pessoal, aceitação de si mesmo, domínio do ambiente e relações positivas. “Temos que parar de pensar como agricultores e começar a pensar como jardineiros, que sabem reconhecer as diferenças e fazem florescer todas as suas plantas”, sintetizou.

Para isso, disse o chefe de Pensamento Exponencial da BRQ Digital Solutions, o ser humano precisa fazer um detox digital. “A verdadeira riqueza é ficar offline. Hoje enfrentamos problemas que não são de um país ou de uma empresa, eles transcendem. Ha armadilhas que estão nos fazendo perder um tempo precioso”, completou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

21/08/2019
BBTS quer ser cada vez mais uma empresa voltada à TI

02/08/2019
João Vagnes de Moura Silva é o novo presidente da BB Tecnologia

01/08/2019
TecBan promete oferecer pagamento instantâneo até o final do ano

03/07/2019
Bancos tradicionais sentem no bolso o impacto das fintechs e bancos digitais no crédito

02/07/2019
Natura avança para pagamento instantâneo atenta ao Open Banking

28/06/2019
BBTS cria plataforma com monitoramento, biometria, QR Code e reconhecimento facial

28/06/2019
Serviços de voz estão mais vivos do que nunca na jornada digital

28/06/2019
Febraban: o céu é o limite para modelos de negócios com blockchain

28/06/2019
Distributed Ledger: open source e blockchain unem esforços

28/06/2019
Pressão das fintechs impõe aos bancos um novo olhar para nuvem pública

Veja mais artigos
Veja mais artigos

A urgência de cultivar talentos para TIC no Brasil e no mundo

Por Breno Santos*

A transformação digital ainda é um desafio para muitas empresas no Brasil e a aplicação estratégica das novas soluções deve acontecer por meio de equipamentos e mão de obra qualificada.

Destaques
Destaques

TICs vão demandar 700 mil novos profissionais na Indústria em cinco anos

Dados são do Mapa do Trabalho Industrial, feito pelo SENAI, que indicam ainda a urgência na qualificação de 10,5 milhões de trabalhadores em ocupações industriais por conta da indústria 4.0. Um dos especialistas em alta é o condutor de processos robotizados, com um incremento de 22% no número de vagas.

Técnicos são os que mais procuram especialização em Big Data

Cursos voltados para desenvolvimento Full Stack e Segurança Cibernética também são bastante demandados. No caso do big data, dos alunos formados nesta área, 45% possuem mais de 10 anos de experiência (sênior); 36% até nove anos (pleno) e 19% até três anos (recém-formados).

Agile reescreve a carreira do desenvolvedor de software

Ao mudar a entrega dos serviços – quebrando a prática dos longos projetos –, a metodologia também exige novos profissionais.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site