Convergência Digital - Home

Mambu quer ser a plataforma agnóstica para SaaS

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 28/07/2020

Ainda se definindo como uma fintech da computação em nuvem, a Mambu, criada em 2011 com forte aderência ao mercado financeiro para serviços bancários digitais e SaaS, reformula a sua estratégia para ampliar os negócios na América Latina e no Brasil. O primeiro passo foi a contratação de Pablo Pereyra Portugal para a área comercial.

Ao Convergência Digital, o executivo conta que 'mantém planos agressivos para a região, em especial para Brasil e México como prioridades'. Segundo Portugal, a pandemia de Covid -19 acelerou a oferta de serviços digitais e fez avançar a transformação digital. No Brasil, ainda desponta a oportunidade com o Open Banking, que começa a operar na segunda quinzena de novembro.

"A situação atual fez com que grandes instituições financeiras repensassem seu plano de negócios e sua forma de atender os clientes, agilizando o processo decisório por tecnologias mais modernas. É aqui que a Mambu quer avançar", conta Portugal. Segundo ele, a adoção da computação em nuvem é um caminho sem volta por otimizar recursos e permitir redução de investimentos.

Sobre as parcerias, a Mambu - fechou recentemente com o Google Cloud - assegura que é agnóstica e quer ser reconhecida como uma empresa habilitada para operar em qualquer nuvem. "Nosso objetivo estratégico é sermos 100% cloud agnóstica. Somos uma plataforma SaaS nativa em nuvem e vamos prosseguir com o nosso portfólio de serviços cloud", reforça o novo diretor da área comercial para a América Latina.

Indagado sobre o impacto econômico da Covid-19 nos negócios, Portugal conta que a América Latina tem sido protagonista no crescimento da Mambu e a transformação digital é uma oportunidade única para a oferta de serviços. "É certo que a pandemia deixará como legado a maior digitalização, com hábitos e comportamentos modificados", completa o executivo.




Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Saúde ID funcionará como um marketplace de serviços ligados à saúde e recebeu investimentos de R$ 50 milhões. O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos.

No Brasil, empresas 'confiam, desconfiando' das multiclouds

Estudo, feito pela F5 com vários países da América Latina, mostra que as organizações têm menos confiança na capacidade da nuvem pública resistir a um ataque hacker voltada às aplicações. Escolha da nuvem é feita aplicação por aplicação.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem privada?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site