Pré-pago na TIM tem uma queda de R$ 50 milhões por conta da Covid-19

Ana Paula Lobo ... 06/05/2020 ... Convergência Digital

A pandemia de Covid-19 impactou o resultado do primeiro semestre de 2020 da TIM. Em teleconferência de resultado, realizada nesta quarta-feira, 06/05, a operadora revelou uma queda entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões por conta da redução das recargas no mês de março em 20%. No pós-pago e na banda larga fixa, os impactos não foram contabilizados, sustentou o presidente da TIM Brasil, Pietro Labriola.

O executivo confirmou que o momento é de muita incerteza. "Não dá para saber o próximo mês com a pandemia, mas dentro das condições adversas a partir de março, estamos satisfeitos com a nossa resiliência e disciplina no controle de custo", pontuou Labriola. A banda larga fixa, com o TIM Live, por exemplo, mesmo com a pandemia registrou um incremento de 20% na base de clientes em relação ao mesmo período em 2019.

Para equilíbrio financeiro, muito em função do risco provocado pelo Coronavírus, a TIM pegou um empréstimo de R$ 574 milhões, com taxas de juros de 6% ao ano para ser pago em abril de 2020 e tem uma linha de R$ 1,5 bilhão em espera no BNDES. O adiamento do pagamento das taxas do Fistel e da Condecine, no valor somado de R$ 782 milhões, de março para agosto também trouxe alívio ao caixa da tele.

Como o pós-pago e a banda larga fixa se mostraram estáveis em março, mesmo com a pandemia, o nível de inadimplência está sendo monitorado, mas ainda é considerado sob controle, mesmo com o incremento da provisão para inadimplentes (veja abaixo em números), afirmou Adrian Calaza, CFO da operadora. A TIM criou um comitê que avalia semanalmente o impacto das cobranças na receita.

Números

O balanço financeiro da TIM revela que a receita líquida da empresa aumentou 0,6% comparado com o primeiro trimestre de 2019, totalizando R$ 4,215 bilhões. Considerando a receita de serviços, o total foi de R$ 4,091 bilhões, avanço de 1,7%. Segundo a TIM, a receita de serviços reduziu o ritmo de expansão após três trimestres consecutivos de crescimento.

Como colocado na teleconferência de resultados, as provisões para devedores duvidosos (PDD) aumentaram 9,3%, no quarto trimestre consecutivo de desaceleração de crescimento. "Tal performance é explicada pelo aumento da base de receita exposta a inadimplência em função do aumento da base pós-paga em 5,3% A/A, além de um ambiente macroeconômico desafiador (desemprego, renda e endividamento das famílias)", aponta a TIM.

A operadora registrou R$ 1,924 bilhão de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) reportado, um aumento de 7,9%. Segundo a operadora, as principais alavancas foram a manutenção de forte controle de custos/despesas e aumento da receita do serviço móvel e do fixo.

O investimento da empresa - CAPEX - no período foi de R$ 904 milhões, aumento de 39,1% no comparativo anual, uma queda em relação ao trimestre anterior. Os recursos foram mais destinados à infraestrutura (90% do total), especialmente projetos de TI, tecnologia 4G em 700 MHz, redes de transporte e expansão do FTTH (15% dos investimentos no período).

A dívida líquida da companhia aumentou R$ 1,012 bilhão em 12 meses, e encerrou março totalizando R$ 10,156 bilhões. A relação dívida líquida/EBITDA ficou em 1,03 no trimestre. No operacional, a TIM encerrou março com queda de 4,1% na base móvel total, totalizando 52,826 milhões de acessos. Desses, 31,153 milhões eram pré-pagos (redução de 9,7%). Mas no pós-pago, a operadora avançou 5,3%, totalizando 21,673 milhões de chips.

A TIM afirma ainda estar cobrindo 3.506 cidades com 4G, um avanço de 6,4%. Dessas, 2.436 (avanço de 65,6%) são com a faixa de 700 MHz. Ainda em cima do total, 3.459 municípios contavam com a tecnologia de voz sobre 4G (VoLTE), um aumento de 27,6%. A tele também avançou no 3G: 3,1%, agora totalizando 3.285 cidades.  A empresa informa ter 21.652 sites, dos quais 84% são cobertos com backhaul de alta capacidade. A operadora declara ter aumentado em 11,2% a sua rede de fibra – backbone e backhaul -, totalizando 102 mil km em março.




Feninfra diz que sem desoneração da folha país perde R$ 2 bilhões e 500 mil empregos em Telecom

Segundo a presidente da entidade, Vivien Suruagy, caso o Congresso não derrube o veto de Bolsonaro à medida, haverá um "apagão de tecnologia" no país.

STJ confirma condenação da Telefônica por falta de cartões telefônicos

Multa estipulada foi de R$ 3 milhões, por conta da não venda de cartões indutivos de 20 unidades. Condenação da operadora foi mantida pela 1ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Oi entra na disputa do mercado de marketplaces para consolidar marca de consumo

Plataforma OiPlace chega ao mercado com mais de 3 mil produtos. Tele também incluiu canal ao vivo no Oi Play, a partir da mudança da regra de conteúdo na Internet pela Anatel.

Em três meses, Anatel e PF apreendem mais equipamentos irregulares que em todo 2019

Somente entre julho e setembro deste 2020 foram 243,7 mil equipamentos sem certificação, entre baterias, carregadores, TV boxes, smartwatches e conversores digitais com Wi-Fi.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G