INTERNET

Unesco aponta desigualdade de acesso como ponto fraco na internet brasileira

Luís Osvaldo Grossmann ... 17/01/2020 ... Convergência Digital

A Unesco divulgou nesta quinta, 17/1, um relatório analítico de indicadores relacionados à internet no Brasil, primeiro país avaliado pelo órgão da ONU para Educação e Cultura. E em que pese a qualidade do ambiente multissetorial e da atuação do Comitê Gestor da Internet, o documento destaca que o Brasil ainda sofre com grande desigualdade no acesso e recomenda reforços regulatórios, notadamente com a efetiva implantação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados. 

“O desenvolvimento do ambiente nacional da internet no Brasil é forte e positivo, e em linha com padrões internacionais quando se considera o panorama regulatório. No entanto, há problemas de efetivo cumprimento em algumas áreas e deficiências significativas em acesso e conectividade para os cidadãos. Apesar do crescente aumento de acesso à internet pelos brasileiros, há desigualdades nas condições de uso e apropriação das TICs, que podem ser apontadas como uma das questões nacionais mais críticas para o desenvolvimento da internet”, diz o relatório Assessing Internet Development in Brazil

Além das disparidades de entre ricos e pobres, áreas urbanas e rurais, a Unesco chama a atenção para a efetiva aplicabilidade do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14), lembrando que há decisões judiciais contraditórias, que sancionam provedores de conteúdo apesar das expressas restrições da lei sobre o tema, e que essa questão específica aguarda uma posição definitiva do Supremo Tribunal Federal. 

O relatório da Unesco também levanta dúvidas sobre o compromisso da atual administração federal com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, notadamente pela ausência, até aqui, da Autoridade Nacional de Proteção de Dados. Não por menos, uma das principais recomendações do documento é a “criação de uma Autoridade Nacional de Proteção de Dados independente e do Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais, complementando o framework normativo previsto na Lei”. 


Revista Abranet 30 . fev-mar-abr 2020
Veja a Revista Abranet nº 30 A matéria de capa enfatiza a relevância do engajamento ao mostrar que uma internet mais segura depende da ação conjunta de todos os atores do ecossistema. Tratamos também do leilão das frequências do 5G. Veja a revista.
Clique aqui para ver outras edições

Convenções partidárias para Eleições 2020 podem ser feitas por videoconferência

TSE decidiu que os partidos têm autonomia para utilizarem as ferramentas tecnológicas que entenderem mais adequadas para suas convenções.

Latinos desconfiam de censura em dados sobre a Covid-19

No Brasil, 47% acreditam em controle nas mídias e redes sociais. Abaixo de Espanha (54%), México (59%) e Colômbia (61%). Aqui, a TV teve a preferência para acesso à informação. Nas redes sociais, o Facebook e o WhatsApp empataram com 34%.

STF: Fachin diz que bloqueio do WhatsApp passa pela Autoridade de Dados

Assim como Rosa Weber, que relata a ADI 5527, Edson Fachin defendeu o direito ao uso da criptografia. Julgamento foi suspenso.

MP de Brasília abre inquérito para apurar venda de dados pessoais

Empresa na mira do Ministério Público do Distrito Federal e Territorios (MPDFT) é a Procob S.A. De acordo com a denúncia, essa empresa comercializa relatórios contendo informações como endereço, telefones, e-mails e outros.

TJSP começa com grupo Itaú projeto de citação eletrônica de pessoas jurídicas

Segundo oTribunal, informações técnicas para a participação foram enviadas a diversas instituições, mas por enquanto  somente o grupo financeiro respondeu. 



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G