Convergência Digital - Home

SUSE quer demarcar o DNA Open Source no Brasil

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 11/10/2019

Depois de ficar condicionada a duas empresas - primeiro a Novell e depois a MicroFocus - a SUSE, referência para Open Source, dá um grito de liberdade a partir da aquisição pelo fundo de investimentos EQT e remodela a estratégia de atuação. O primeiro alvo é o de aumentar a presença em mercados como o da Red Hat- a maior aquisição da IBM, em mercados como plataforma como serviço e containers. 

"A SUSE tem e sempre terá o DNA do Open Source. Nossos desenvolvimentos são abertos. E de verdade. Nós abrimos o código para desenvolvimento", diz o Vice-presidente da SUSE para América Latina, Sergio Toshio. A mudança de rumo determinou a montagem de uma operação própria no Brasil, que será a base das operações nos países da região. No Brasil, por exemplo, há 10 engenheiros trabalhando diretamente com a área de desenvolvimento global da companhia.

Indagado sobre o espaço deixado pela Red Hat - adquirida pela IBM - Toshio admite que a SUSE vai avançar em segmentos como cointainers, PaaS e na oferta de sistema operacional open source para novas tecnologias, em especial, para dispositivos Internet das Coisas. "Esse é um mercado que tem um potencial enorme de crescimento e o Open Source é adequado para fomentar as aplicações", reforça o executivo.

Sem falar em valores - a SUSE está fechando o ano fiscal de 2019 em outubro - Toshio assegura que o Brasil é prioridade na estratégia global de reforçar o DNA do Open Source."Mas sempre vamos atuar de forma indireta, por parceiros, por ecossistema. A colaboração, aliás, é o diferencial da SUSE", fala ao Convergência Digital.

Uma das ações da SUSE para crescer será ir às compras. Toshio não adiantou perfil das empresas a serem adquiridas, mas diz que 2020 marcará uma atuação mais agressiva. "Não acredito nesse movimento no mercado brasileiro, mas teremos compras para fomentar ainda mais o ecossistema. Queremos ser os fornecedores de infraestrutura de TI com uso de novas tecnologias como inteligência artificial, machine learning e outras", completa Toshio.


Destaques
Destaques

Governo negocia para transformar Foz do Iguaçu em zona franca para datacenters

O secretário de Telecomunicações do MCTIC, Vitor Elisio de Menezes, conta que negocia a incorporação dos datacenters em uma classe especial para consumo de energia, ativo que mais encarece as operações no Brasil.

Para OCDE, a transformação digital está no topo da agenda global

Brasil ainda precisa superar o desafio da inclusão digital, afirma o diretor da entidade para América Latina, Roberto Martínez Yllescas.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

As lições do buraco negro e da análise de dados às empresas

Por Paulo Watanave*

O fato é que por trás das aplicações e sistemas usados nas operações já existe um grande e variado conjunto de insights e algoritmos que podem ser usados para gerar valor real às organizações e para as pessoas de um modo geral. Estima-se que menos de 10% das companhias em todo o mundo tenham estratégias bem definidas para a utilização dos recursos digitais e das informações.

Edge Computing para acelerar os negócios das empresas brasileiras

Por Henrique Cecci*

O que é, afinal, Edge Computing? Trata-se da aplicação de soluções que facilitam o processamento de dados diretamente na fonte de geração de dados. No contexto da Internet das Coisas (IoT), por exemplo, as fontes de geração de dados geralmente são "coisas" com sensores ou dispositivos incorporados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site