Home - Convergência Digital

Projeto Telemeclima leva 4G à fazenda da Amaggi no Mato Grosso

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 05/07/2019

A Jacto, fornecedora da solução OtmisNET, a TIM e Nokia deflagraram a primeira fase do projeto-piloto 'Telemeclima", para levar conectividade 4G para a fazenda Água Quente (MT), propriedade da AMAGGI. O intuito da iniciativa é evidenciar como as tecnologias embarcadas nas máquinas colaboram para uma gestão mais racional no agronegócio, fornecendo informações em tempo real, possibilitando redução de custos e permitindo que o trabalho seja feito de forma preventiva, mitigando desperdícios e falhas.

Nesta fase, serão conectados cerca de 700 equipamentos agrícolas, além de outras ‘coisas’ que possam utilizar a infraestrutura nesse ecossistema, que se beneficiarão da rede 4G da TIM para melhorar a atuação na fazenda da AMAGGI, uma das principais empresas agrícolas do Brasil com atuação nas áreas de produção agrícola, logística e operações, commodities e energia.

“Esperamos que esse trabalho traga um ganho maior de performance operacional, além da facilidade de comunicação entre os nossos colaboradores, que agora podem realizar chamadas de videoconferência para uma tomada de decisão ou intervenção mecânica remota, caso necessário”, explica Pedro Valente, diretor da AMAGGI Agro.

Cristiano Pontelli, gerente de negócios da Otmis, marca da Jacto para agricultura de precisão, diz que o diferencial da solução adotada na Amaggi é o fato de ela ser multimarcas, podendo ser usada para plantio, pulverização, adubação, colheita e preparo do solo, independente do fabricante da máquina. "Só conseguimos fazer gestão quando medimos as variáveis do processo. E a solução, com o suporte da conectividade da parceria, permite essa agilidade, essa identificação e intervenção no momento em que as falhas estão acontecendo”, explica o executivo.

“Queremos contribuir com a nossa expertise para facilitar a vida do produtor, aumentando sua produtividade.A parceria com a AMAGGI reforça nossa meta que é conectar cinco milhões de hectares com o 4G até o fim do ano”, afirma Alexandre Dal Forno, Head de Produtos B2B & IoT da TIM Brasil. A eficiência operacional do projeto depende também do fornecimento de equipamentos de ponta nesse ecossistema conectado. “O projeto em parceria com a AMAGGI, TIM e Jacto trará ganhos de competitividade e eficiência operacional por meio de inovações tecnológicas fundamentais, como 4G sobre satélite para conectar pessoas e coisas nas fazendas, tudo preparado para evoluir, no futuro, para o 5G. ”, completa Leonardo Finizola, Diretor de Novos Negócios da Nokia no Brasil.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

26/11/2019
Campinas será a primeira cidade a testar IoT com dinheiro do BNDES

14/11/2019
Brasileiros já incluem dispositivos IoT em lista de desejos

08/11/2019
Brasil monta centro para dados, IoT e industria 4.0 com Fórum Econômico Mundial

01/11/2019
Aplicações de IoT terão de se alinhar à LGPD

01/11/2019
Fiat Chrysler avança no uso de Internet das Coisas

23/10/2019
Vivo fará conectividade IoT para caminhões da Mercedes Benz

22/10/2019
Malware focados em IoT crescem 33%

16/10/2019
Brasil melhora, mas ainda é o segundo país em ataques à IoT

14/10/2019
IoT: Vivo e Esalq mostram projeto pioneiro de irrigação 100% conectada

04/10/2019
Certificação digital quer avançar nos dispositivos de IoT

Destaques
Destaques

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

5G já trouxe aumento de receitas para as operadoras

“Na Coreia, são 3,5 milhões de clientes em seis meses, 1 milhão com serviços de valor adicionado. Em apenas um trimestre as operadoras aumentaram as receitas em 2%”, afirma o diretor de soluções da Huawei, Carlos Roseiro. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site