GESTÃO

Serasa Experian: empresas vão investir mais em tecnologia por dados pessoais

Por Fernanda Ângelo e Ana Paula Lobo ... 12/06/2019 ... Convergência Digital

As instituições financeiras são as que mais inspiram confiança nos consumidores digitais no Brasil. Este é um dos resultados apontados pela pesquisa Global Identity and Fraud Report, divulgada nesta quarta-feira (12/06) pela Serasa Experian, durante o CIAB Febraban 2019.

De acordo com o levantamento, o segmento de bancos e seguradoras foi citado como o mais confiável para o compartilhamento de dados pessoais por 46% dos entrevistados.  Em segundo lugar, surgem os provedores de meios de pagamento (25%), seguidos pelos provedores de tecnologia (10%).  A pesquisa ouviu 10 mil consumidores e mil empresas em 21 países para identificar o cenário de prevenção a fraude em relação a transações digitais.

A liderança das instituições financeiras se repete no comportamento global, sendo que nos Estados Unidos esse índice foi de 42%, e atingiu o maior percentual (54%) na Colômbia. “O investimento em inovação, redução de riscos e fraudes e o uso transparente e inteligente de informações são referenciais valiosos para alavancar o poder dos dados, o que gera confiança e entrega de experiências cada vez mais relevantes”, disse o diretor de Prevenção a Fraude da Serasa Experian, Eduardo Castro.

E as empresas planejam aumentar os investimentos em tecnologias para garantir o conforto do consumidor durante o uso de seus serviços. Castro afirma que 50% das companhias ouvidas planejam ampliar os investimentos destinados a transparência e prevenção a fraudes.

"As empresas sempre trabalharam com as fraudes mais clássicas, como roubo de documentos, de cartões de crédito, boletos falsos. Agora elas precisam lidar com fraudes mais complexas, e isso exige novos investimentos", afirmou Castro.

O termômetro da confiança

O levantamento também avaliou como o consumidor lida em relação à coleta, uso e armazenamento de seus dados pessoais por parte das empresas. Nesse contexto, o setor financeiro novamente ficou em evidência, com 32% dos brasileiros afirmando que “confiam totalmente” nas instituições financeiras. O mesmo percentual se repete para meios de pagamento, posicionando esses segmentos no Brasil à frente dos demais países.

No cenário global, o nível de confiança nas instituições financeiras chega a ser três vezes maior do que em lojas de varejo online (sites e aplicativos). No Brasil, a diferença chega a 19 pontos percentuais (2,5 vezes maior).“Isso mostra que o investimento robusto em TI e em recursos visíveis de segurança destinados pelo setor financeiro nos últimos anos, a fim de ampliar a proteção de operações e informações pessoais contra fraudes, tiveram reflexo direto e positivo na visão dos consumidores”, destacou Eduardo Castro, exemplificando com a declaração do Imposto de Renda, em que o usuário precisa colocar senha e recebe mensagem de que o arquivo transferido é criptografado.

Segundo o levantamento, os maiores aumentos no nível de confiança, nos últimos 12 meses, também foram nesses segmentos: 33% para bancos e seguradoras e 30% para provedores de meios de pagamento.  À CDTV, do Convergência Digital, Eduardo Castro falou sobre o resultado da pesquisa e do impacto da privacidade dos dados. Assistam.


Paraná adota Inteligência Artificial em serviços ao cidadão

Os serviços desenvolvidos pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar)são as ferramentas eleitas pelo Governo do Estado para ampliar a digitalização dos serviços, revela André Telles, assessor especial de Gestão Inteligente e Inovação.

Plataforma consumidor.gov.br atinge a marca de 2 milhões de registros

No ano passado, o índice médio de solução de conflito foi de 81%.  Projeto completa cinco anos e envolve a Secretarian Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça e o Tribunal de Justiça de São Paulo.

Projeto de Lei quer enquadrar apps como 99 e Uber no Código do Consumidor

Hoje, diz o autor do PL, deputado Sérgio Vidigal (PDT/ES), o atendimento desses aplicativos é insatisfatório e viola as normas existentes de defesa do consumidor. Uma das medidas impostas é a obrigação de ter um SAC por telefone, funcionando 24 horas.

INPI promete reduzir prazo para registro de chips de 70 para 7 dias

Sistema batizado ‘e-Chip’ permitirá a solicitação online no caso de topografias de circuitos integrados. Plano de digitalização dos serviços também prevê que o Instituto vai aceitar pagamento por cartão, no lugar da GRU. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G