Oi: Mesmo que AGU aprove redução da dívida, Anatel vai votar na Assembleia de Credores

Ana Paula Lobo ... 14/08/2020 ... Convergência Digital

ATUALIZADA -O CEO da Oi, Rodrigo Abreu, revelou nesta sexta-feira, 14/08, durante a teleconferência de resultados do segundo semestre, que já protocolou na AGU, a proposta de renegociação de débito com a Anatel- credora de algo em torno de R$ 13,9 bilhões atualizados e R$ 11 bilhões no contexto do primeiro plano de Recuperação Judicial - aproveitando a Lei 13.988, que permite a renegociação dos débitos com o governo. Fica claro que a Oi quer resolver logo a dívida com a Anatel e impedir a judicialização da RJ.

"A petição está protocolada e com todos os documentos exigidos. Nós usamos sim as regras facilitadoras do governo. Agora está com a AGU. Temos confiança que tudo se ajeitará até a Assembleia de Credores", pontuou Abreu. Em entrevista ao CDemPauta, o presidente da Anatel, Leonardo de Morais, confirmou que a Lei 13988 é facilitadora de um acordo e estimou que a dívida pode cair para algo em torno de R$ 7 bilhões. 

"O número não é difícil de calcular. O valor da dívida original é de cerca de R$ 11 bilhões, que com juros subiu para cerca de R$ 13 bilhões e a Lei 13.988 permite o desconto de 50% do valor original da dívida e o pagamento em 84 meses. Então essa foi a conta [de aproximadamente R$ 7 bilhões], que está correta", afirmou o presidente da Oi. 

Resolver a dívida com a Anatel é um ponto relevante para a Oi, já que a agência reguladora é uma das maiores credoras da Oi, junto com os bancos que já sinalizaram negativamente ao primeiro aditamento da recuperação judicial - e que, agora, no segundo aditamento da RJ, divulgada nesta quinta-feira, 13/08 - tem novos modelos de pagamentos. Aos bancos, a Oi propõe a liquidação dos créditos, condicionada às vendas da Oi Móvel e da Oi Infra.Co, em até três parcelas. A dívida com os bancos é estimada em algo em torno de R$ 7 bilhões.

Rodrigo Abreu acha ser possível que o desconto sobre a dívida com a Anatel seja concluído antes da Assembleia de Credores, mas diz que essa tratativa já foi incorporada ao novo aditamento do plano de recuperação. "Depende da AGU, mas independentemente de acontecer antes ou depois da assembleia, o protocolo formal já está feito e o aditamento já inclui a exclusão dos créditos da Anatel. A objeção da Anatel deve ser removida independentemente da transação ser celebrada antes ou depois, porque a gente já inclui no plano a previsão de que os créditos da Anatel saem da RJ e vão para a transação."

Sobre outro ponto divergente com a Anatel - os bens reversíveis - Rodrigo Abreu deixa claro que é preciso agir logo para saber o olhar da agência com relação aos bens de cobre, e aqui ele frisou muito o cobre, subentendendo que a fibra está fora da negociação.

"Nenhuma operadora vai migrar de concessão para autorização se essa questão dos bens reversíveis não estiver clarificada. Temos que ter uma garantia de sustentabilidade e não há visibilidade de quando isso será resolvido. Esperamos ter até o final do ano um caminho mais claro com relação ao cronograma e as obrigações que vão continuar existindo", completou Rodrigo Abreu.








Internet Móvel 3G 4G
OpenRAN aberta: o xeque-mate do xadrez geopolítico do 5G

Fornecedores precisam  se comprometer mais com a compatibilidade com RAN aberta e os EUA precisam correr  para não perder de vez mercado para Ásia e Europa, advertiu o vice-presidente de estratégia de rede da Telus, Bernard Bureau.

Relator no Senado propõe desoneração de IoT e VSats sem mudar texto da Câmara

Relator do PL 6549/19 na CCT, senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) sustenta que isenção de Fistel, Condecine e CFRP vai, na prática, aumentar a arrecadação . “Ganho líquido na arrecadação será de R$ 2,9 bilhões”, afirma. 

Empate suspende decisão do STF sobre desbloqueio de celular em 24 horas

Operadoras questionam no Supremo uma lei do Rio de Janeiro que determina o desbloqueio da linha 24 horas após quitação de dívida. Placar está em 5 a 5. 

Para Oi, assinatura básica teria que ser acima de R$ 100 para pagar concessão

Presidente da Oi, Rodrigo Abreu, diz que a pandemia foi ruim para o setor e que a busca pelo equilíbrio é fundamental. “O ‘break even’ seria mais caro que um pacote básico de banda larga."

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G