INCLUSÃO DIGITAL

Ensino a distância está muito longe de ser realidade no Brasil

Ana Paula Lobo ... 09/06/2020 ... Convergência Digital

Uma constatação da pesquisa TIC Educação 2019, divulgada nesta terça-feira, 09/06, pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), é que o ensino a distância nas escolas públicas e particulares no ensino médio e fundamental está muito longe de ser uma verdade.

O estudo – feito de agosto a dezembro de 2019 - apurou que apenas 28% das escolas localizadas em áreas urbanas contavam com um ambiente ou plataforma de aprendizagem a distância. Os dados mostram que esse tipo de plataforma voltada para o ensino a distância estava presente em apenas 14% das escolas públicas urbanas, e que se manteve assim nos últimos três anos, sem qualquer investimento.

Já nas particulares, a situação é distinta. Em 2018, eram 47% com algum tipo de plataforma de ensino a distância. Em 2019, esse percentual subiu para 64% das particulares urbanas. Com relação às escolas rurais, o ensino a distância nem acontece, uma vez que apenas 40% delas têm um PC ou uma conexão à Internet.

"O que temos hoje por conta da pandemia é um ensino remoto de emergência. As escolas não estavam preparadas para levar o conteúdo para o remoto. O ensino a distância exige planejamento, o que não aconteceu com a Covid-19, mas é fato, também, que esse ensino remoto deve mudar o modelo daqui pra frente", afirma Daniela Costa, coordenadora da pesquisa TIC Educação 2019.

Um dado curioso com relação aos professores- vetores essenciais: 93% deles fizeram atualização sobre o uso de tecnologia sozinhos, sem apoio de nenhuma instituição. Na pesquisa, 81% dos professores assumem que fazem uso de vídeos e tutoriais online para aprendizado seja na escola pública ou na particular e 51% deles participaram de algum tipo de curso de educação a distância, antes da elaboração do estudo (os dados foram apurados de agosto a dezembro de 2019).

Se nas escolas, falta infraestrutura, em casa, a situação piora. O estudo apurou que 39% dos alunos de escolas públicas não têm PCs, notebook ou  tablet em casa para estudar. A maior parte usa celulares, mas não se conhece se esses dispositivos são os ideiais para armazenar conteúdos e permitir o desenvolvimento das habilidades digitais. O levantamento destaca que 98% dos alunos nas escolas urbanas usam o celular para ter acesso à internet nas escolas, mas também não identificou a velocidade nem o tipo de acesso feito à internet.

A pesquisa também revela que em 2019 aumentou a presença em redes sociais das escolas localizadas em áreas urbanas: 79% possuem perfil ou página em redes sociais, sendo 73% entre as públicas e 94% entre as particulares - números que eram de 67% e 76% em 2018, respectivamente.

De acordo com a TIC Educação 2019, as redes sociais são um dos principais canais de interação entre a escola e a família: na rede pública, 54% dessas instituições afirmam utilizá-las como meio de comunicação com os pais ou responsáveis, enquanto na rede privada, este percentual foi de 79%. Por outro lado, o e-mail institucional é utilizado por apenas 16% das escolas públicas e de 63% das particulares.








MPF recomenda que instituto cancele compra de MacBooks de R$ 12 mil e use PCs mais baratos

Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte (IFRN) quer 20 notebooks da Apple para o setor administrativo, em custo superior a R$ 250 mil. MPF diz que licitação deve incluir outras marcas. 

Covid-19 aumentou o uso da internet nas classes C, D e E

Segundo a pesquisa TIC Covid-19, do Cetic.br, a pandemia aumentou o uso da rede em todas as classes e faixas etárias. O que já era hábito entre os mais ricos, passou a ser mais comum entre os mais pobres para compras e serviços.

Bemol quer Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E para levar banda larga para quem não tem nem 3G

Varejista com atuação na região norte do País tem planos de expandir sua infraestrutura para mais cidades, mas conta com a frequência não licenciada, diz o gerente de TI, Jesaias Arruda.

Saúde pública padece de acesso à Internet e de segurança de dados

Processo de levar acesso à Internet para as Unidades Básicas de Saúde(UBS) não avança e apenas 23% delas disponibilizam agendamento de consultas pela Internet. Nas unidades privadas, o atendimento online está em 100% do segmento. Diferença é evidente na comparação do Norte e Nordeste com o Sul e Sudeste.

Licitação do MEC abre espaço para MVNOs na oferta de banda larga móvel gratuita

Propostas têm de ser enviadas ao governo até o dia 17. Contratação acontece ainda em julho. O preço de referência da RNP para este processo é de R$ 0,56 GByte/mês sem ICMS, considerando um pacote de dados de 20 Gbytes, para a quantidade de 5.000 alunos. 

Escolas viram telecentros para quem não tem acesso à Internet

Maior parte dos usuários vai para fazer pesquisa escolar e digitar currículos ou outros documentos. Conexão à Internet melhorou, mas a maioria tem conexão entre 1 Mpbs até 5 Mbps.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G