Home - Convergência Digital

Mastercard: teles não serão nossas concorrentes

Ana Paula Lobo - 16/12/2019

A entrada das operadoras de telefonia na oferta de serviços financeiros não assusta a Mastercard. Muito pelo contrário. "Quanto mais atores, melhor para nós. A Mastercard quer ser parceira desses atores. Nós queremos estar onde o pagamento estiver. Se as teles vão entrar, ótimo. Mais produtos serão desenhados e mais pagamentos serão feitos com as nossas tecnologias", observou o presidente da companhia, João Pedro Paro Neto, em encontro com jornalistas, em São Paulo. A Claro e a TIM já anunciaram a disposição de oferecer serviços financeiros a partir de 2020, especialmente, para quem não tem conta bancária tradicional.

A aposta no pagamento por aproximação é uma realidade. Somente no mês de novembro foram realizadas cerca de 13 milhões de transações do tipo contactless. Em janeiro, eram apenas 1,4 milhão de transações. A popularização do modelo é o desafio da cadeia de pagamentos. E quem ajuda nessa 'massificação' é o transporte público. Desde setembro, usuários de 12 linhas de ônibus da cidade de São Paulo já podem pagar a passagem do transporte com cartões de crédito, débito e pré-pagos da Mastercard e também Visa habilitados com a tecnologia por aproximação.

O objetivo, agora, é o de ampliar o projeto para outras cidades do País. No Rio de Janeiro, a Mastercard levou a tecnologia para o sistema de pagamento de trens na cidade. "É um potencial enorme para a indústria e teremos um grande avanço para o próximo ano", pontuou Paro Neto. Dados da Mastercard revelam que mais de 4900 cidades brasileiras já realizam transações por aproximação. A Mastercard apostta ainda que o mercado de cartões tenha um crescimento de 24%, chegando a R$ 2,3 trilhões movimentados.

Os pagamentos por aproximação podem ser feitos tanto com cartões de plástico dotados da tecnologia NFC quanto por meio de smartphones e wearable devices (relógios e pulseiras) com a mesma tecnologia e um app de carteira móvel, como Apple Pay, Google Pay ou Samsung Pay, por exemplo, associado a um cartão de crédito ou débito.





Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

02/07/2020
BC: Pagamento pelo WhatsApp terá de provar proteção aos dados

30/06/2020
Cade revoga suspensão de parceria entre Facebook e Cielo para pagamentos por WhatsApp

22/05/2020
Banco Central: os cartões de crédito e débito vão morrer no pós-Covid-19

17/04/2020
Meio de pagamentos: Startups unem operações para disputar mercado nacional

27/02/2020
Carteira digital representou apenas 0,03% dos pagamentos recorrentes no Brasil

16/12/2019
Mastercard: teles não serão nossas concorrentes

27/11/2019
Meios de pagamento: Tribunal do Cade rejeita recurso do Itaú e da Rede

25/10/2019
Meios de pagamento: CADE amplia investigação para Itaú e Rede

24/10/2019
Cade investiga bancos sobre meios de pagamento

12/09/2019
Ônibus em São Paulo vai aceitar pagamento por NFC e cartões de débito, crédito e pré-pago

Destaques
Destaques

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Covid-19 fez smartphone virar agência bancária com 41% das transações financeiras

As transações bancárias feitas por pessoas físicas pelos canais digitais foram responsáveis por 74% do total de operações analisadas em abril, revela a Febraban.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site