Convergência Digital - Home

Para OCDE, a transformação digital está no topo da agenda global

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Roberta Prescott - 21/10/2019

“A digitalização não é algo novo, mas o poder de supercomputador que temos na mão é ubíquo e onipresente”, assim, Roberto Martínez Yllescas, diretor para América Latina da OCDE – México, começou a sua apresentação na ABES Software Conference. Yllescas lembrou que a inteligência artificial (IA) abre novas oportunidades radicais, mas traz novos riscos. A ciência da IA continua avançando e, no cenário mundial, os Estados Unidos são os que mais registram patentes, com a China tendo um número muito substantivo.

Transformação digital está no topo da agenda global e é um marco de política pública. As principais questões envolvem acesso, uso, inovação, emprego, sociedade, confiança e abertura de mercado. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico fez o trabalho de mapear as estratégias dos países-chaves no fortalecimento do marco de políticas públicas para a ampliação do digital.

Com relação ao Brasil — que é membro, mas, segundo Yllescas, é um parceiro-chave e participa dos comitês de trabalho — o acesso à banda larga precisa melhorar, ainda que a penetração da banda larga móvel não está tão afastada da média da OCDE, assim como a utilização de tecnologias governamentais e serviços online. “O Brasil precisa melhorar a educação básica e fazer um maior esforço nas matérias de matemática, compreensão de leitura e raciocínio científico”, disse. 

Após a palestra, em entrevista à CDTV, Yllescas ressaltou que o Brasil é um país muito grande e que enfrenta o desafio de não ficar para trás no trabalho de ter acesso competitivo na economia digital global. Para tanto, precisa seguir investindo em pesquisa e desenvolvimento. “O esforço brasileiro nesta área não tem a ver com o ciclo econômico; tem sido um ciclo consistente no tempo”, afirmou, lembrando que o Brasil investe 1,1% do PIB em P&D, o que é praticamente o dobro do porcentual investido pelo México.  


Cientista de dados vai muito além de um analista de BI

São os cientistas de dados que têm capacidade de levar milhares de variáveis em consideração para definir a melhor tomada de decisão, pontua Luiz Malere, gerente de customer advisor e inovação do SAS.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site