Home - Convergência Digital

Fazendas da Atto Sementes contratam 4G e IoT da Vivo

Convergência Digital - 18/12/2019

A Vivo Empresas - área voltada ao segmento B2B da Telefônica Brasil, foi contratada para ficar à frente de um projeto de conectividade com a Atto Sementes, empresa produtora de sementes de soja e milheto do país. Os valores acertados entre as partes não foram revelados.

O projeto prevê cobertura móvel 4G e redes para aplicações baseadas em internet das coisas, na região de Alto das Garças - MT. A infraestrutura de conexão, além da rede móvel, inclui as redes Narrow Band IoT (NB-IoT) e Long Term Evolution for Machines (LTE-M), direcionadas para atender as reais necessidades dos clientes, garantindo aos dispositivos conectados maior autonomia de bateria e operação mais eficiente.

A conectividade ofertada cobre toda a área da Atto Sementes, situada na região de Alto Garças (Itiquira, Guiratinga e Pedra Preta) no estado do Mato Grosso, e impactará na automação, baseada em internet das coisas, de todo seu maquinário agrícola, caminhões, estações meteorológicas e pluviômetros digitais, sendo a etapa final da entrada da empresa no conceito de Fazenda 4.0, otimizando seus recursos e dando maior velocidade na tomada de decisão, o que na agricultura, é um grande diferencial para o ganho de competitividade.

Enquanto a rede NB -- IoT responde melhor por dispositivos portáteis - com aplicações de sensoriamento do clima como temperatura ambiente, humidade do solo e incidência solar, tipicamente utilizadas em estações meteorológicas - a tecnologia LTE-M apresenta melhor performance em aplicações que demandam mais mobilidade, como telemetria de maquinários agrícola como tratores, implementos, colhedoras e colheitadeiras.

Estas tecnologias, serão essenciais para suportar o grande número de dispositivos conectados previsto para os próximos anos, possibilitando que essas aplicações absorvam todas as características das novas redes, com alta autonomia de bateria, e melhor cobertura do sinal, especialmente em ambientes remotos ou longínquos.

"Nosso ecossistema digital para o agronegócio inclui soluções relacionadas à automação de sistemas de irrigação, telemetria de maquinário, controle de ganho de peso animal, soluções de controle de praga, adubação e fertilização", explica o head de Internet da Coisas, Big Data e Inovação B2B, Diego Aguiar. "Estas soluções devem atender as demandas de produtores de grãos, etanol, cultura perene, e pecuária", finaliza.

Outra vantagem se concentra no fato de as novas redes estarem integradas à Vivo Kite Plataform® - plataforma própria de gestão de dispositivos IoT da companhia. Desta forma, o cliente passa a ter uma gama de funcionalidades cruciais que darão sustentação ao volume massivo de linhas e dispositivos conectados. Dentre os principais benefícios, é possível habilitar ou desabilitar serviços, acompanhar o status das conexões em tempo real, sua localização aproximada e até mesmo evitar uma utilização indevida de um equipamento não autorizado.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

28/07/2020
A10 e CLM lançam laboratório de capacitação em IoT/5G

17/07/2020
Do Brasil para o mundo: IoT na irrigação de precisão

06/07/2020
UISA, de bionergia, contrata Vivo para ter 4G e IoT na produção de bionergia

01/07/2020
ConectarAgro quer 13 milhões de hectares na área rural com conexão 4G até o fim de 2021

29/06/2020
Senador pede regime de urgência para IoT para acelerar geração de emprego e renda

23/06/2020
Indicator Capital vai gerir fundo de IoT do BNDES e Qualcomm Ventures

16/06/2020
Startup pernambucana capta R$ 3,5 milhões e investe para expandir IoT na saúde

12/06/2020
Bayer dá acesso gratuito a ferramenta de coleta de dados para agricultura digital

10/06/2020
Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

08/06/2020
Centro de Operações Rio usa rede neutra IoT da American Tower

Destaques
Destaques

Venda de smartphones piratas dispara 135% no 1ºtri no Brasil

Tombo no primeiro trimestre foi de 8,7% - e chegou a 22,4% entre os aparelhos mais simples. Alta do dólar e a falta de componentes impactaram a venda dos dispositivos no país.

Tempo é um luxo que o Brasil não tem para fazer o 5G

Pesquisa da Omdia, ex-Ovum, em parceria com a Nokia, mostra que, nos próximos 15 anos, o 5G vai gerar R$ 5,5 trilhões para o País, sendo o governo beneficiado com o adicional de quase R$ 1 bilhão em receita com os serviços 5G.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Uma escolha de Sofia no leilão de 5G

Por Juarez Quadros do Nascimento*

Em um país democrático, como o Brasil, sem análise estratégica, não daria para arriscar em dispor, comercial e tecnologicamente, de “uma cortina de ferro ou uma grande muralha” para restringir fornecedores no mercado de telecomunicações.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site