Clicky

Home - Convergência Digital

Protótipo de modem 5G da Intel faz chamadas de voz em 28 GHz

Luís Osvaldo Grossmann - 16/11/2017

Depois de anunciar o desenvolvimento de um modem 5G, batizado de XMM 8060, ainda durante a CES, no início de 2017, a Intel deu novos detalhes sobre o projeto, já tendo um protótipo capaz inclusive de fazer chamadas de voz com a nova tecnologia, usando a faixa de 28 GHz. 

“Esse é o nosso primeiro produto ‘multi mode’, com suporte para bandas sub 6 GHz e ondas milimétricas que esperamos serão usadas por várias operadoras ao redor do mundo. O modem é desenhado para múltiplos equipamentos. Será usado em PCs, CPEs, gateways domésticos, telefones, carros e outros equipamentos de internet das coisas”, diz o vice presidente e chefe da área de produtos conectados da Intel, Chenwei Yan.

A Intel aposta forte no 5G, sendo uma das líderes no desenvolvimento da tecnologia, especialmente na busca por padrões globais. A menção aos múltiplos equipamentos que poderão funcionar com seu novo modem é defensiva, mas é certo que o 5G pode representar uma chance da gigante dos chips se tornar grande também no mercado de telefonia móvel, ainda dominado pela Qualcomm, que detém cerca de 50% desse nicho, contra algo próximo a 10% da Intel.  

Como explica a fabricante, esse novo chip baseband do modem trabalha em conjunto com um transceptor 5G que habilita tanto capacidades sub-6Ghz, quanto mmWave. E incorpora a o que o 3GPP chama de ‘5G NR’ (para new radio), com desempenhos de baixíssima latência. Segundo explicou Chenwei Yan, a Intel vez conduzindo testes com operadoras como AT&T, Verizon e a Korea Telecom. 

Segundo o também vice presidente da corporação e chefe da área de estratégia para 5G, Alexander Quach, a nova tecnologia é mais que simplesmente o passo seguinte após o 4G. Mas marca uma mudança mais significativa na própria forma de ‘computar’ dados – no que reside a confiança da Intel de que ser a campeã dos processadores fará diferença no universo 5G. 

“O 5G não é apenas conectividade de smartphones, mas de bilhões de máquinas rodando com capacidades de latência de um dígito de milissegundos. Com a evolução das redes, o datacenter, e a própria nuvem, estará ainda mais distribuído. A nuvem está se movendo mais para perto dos usuários para minimizar o tempo de viagem dos pacotes de dados, então muito processamento vai se dar nas bordas da rede. Estamos falando de carros autônomos, realidade virtual, análise de dados em tempo real”, afirma Quach. 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/01/2021
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

19/01/2021
EUA querem dar a faixa de 12 GHz para o 5G

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

18/12/2020
Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

16/12/2020
Capdeville, CTIO da TIM: "Usamos equipamentos chineses há vinte anos e não há nada que desabone a rede brasileira"

16/12/2020
TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

15/12/2020
Ceitec, no RS, tem estrutura para produzir chips 5G

11/12/2020
Algar Telecom testa OpenRAN em centro de 5G criado pela IBM, Flex e FIT

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site