Clicky

Embratel reorganiza dados para conhecer melhor o cliente

Por Roberta Prescott* ... 17/11/2020 ... Convergência Digital

O uso de ferramentas de análise tem sido um grande aliado das prestadoras de serviços de telecomunicações para entregar serviços mais direcionados e melhorar a experiência do cliente. A Embratel começou com analytics para manutenção e qualidade de redes, tanto a fixa, quanto a móvel junto com a Claro e, conforme explica Mário Rachid, diretor-executivo de Soluções Digitais, a telco evoluiu para fazer o cruzamento desses dados com os de clientes para conhecê-los melhor e oferecer pacotes sob medida.

Assim, combinou soluções proprietárias de empresas parceiras como Huawei, Cisco e Alcatel, que fornecem ferramentas para analisar os dados da rede, com ferramentas de análise para fazer o cruzamento. "Trabalhamos muito com o SAS e cruzamos dados nossos com outras bases, inclusive, com a da Google, para oferecer pacotes que tenham mais a ver com o perfil de uso. E isso só é possível quando passamos a conhecer melhor o cliente", diz.

O diferencial, reforça Mário Rachid, é fazer o cruzamento de dados oriundos de diversas áreas, da rede ao CRM (Customer Relationship Management). "É com isso que tiramos as conclusões. Para tanto, é necessário fazer a reorganização dos dados e conhecê-los a fundo”, detalha. "Nós viemos da fusão de três empresas, e isso levou tempo. Hoje, temos mais de 20 cientistas de dados trabalhando na companhia, cruzando os dados", acrescenta.

Sem revelar números, Rachid aponta que os investimentos foram principalmente em hardware e no uso de cloud. "Fazer o cruzamento não é simples. É um trabalho que vem sendo feito nos últimos três anos de maneira mais forte e, agora, colhemos mais frutos. Temos as pessoas, as ferramentas; estamos chegando a um nível de amadurecimento interessante", enfatiza.

Rachid classifica a Embratel em um estágio inicial de toda a potência de uso e cruzamento de dados. "Já temos alguns resultados, mas estamos em estágio inicial. Já conseguimos, por exemplo, na renovação de clientes, discutir o que ele usa mais e o que se pode fazer. Hoje, consigo, quando vou negociar contrato de B2B, falar do consumo de ferramentas, como Microsoft Teams, e ajustar a franquia se estão usando menos minutos. Quando nos sentamos com o cliente, conseguimos fazer análise e montar um plano na medida", conta.

Todo esse panorama vem da análise do cruzamento de dados da rede combinada com sistemas de CRM, billing e outros. "Caminhamos para uma personalização maior, mas tem de ter cuidado, porque tem questões éticas, tem a LGPD. Qual é o limite do uso dos dados? Tem de validar muito a questão ética e regulatória", pontua.

LGPD

Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), o cuidado com os dados precisa ser maior. "Fizemos uma adaptação grande nos sistemas antigos, legados, porque havia coisas que precisavam ser melhoradas", relata Rachid. O projeto começou há cerca de um ano e meio e, segundo ele, hoje, ainda não está 100% concluído, mas tem tudo mapeado. "Já fizemos alterações em 90% das aplicações, as principais e que são de mais alto risco. Essas já estão adaptadas. As que ficaram são as de baixo risco."


Internet Móvel 3G 4G
Governo e teles negociam um piloto 5G standalone

O anúncio foi feito pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria. Segundo ele, seriam 20 pontos em todo o Brasil e outros ministérios participariam como o da Agricultura e o de Infraestrutura. "Queremos testar antes mesmo do leilão como funciona o 5G standalone. As negociações estão em andamento", disse.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Ganho global com Wi-Fi e Wi-Fi 6E chega a R$ 26 trilhões até 2025

Estudo destaca que o uso total da faixa de 6 GHz, com 1200 MHz para sistemas não licenciadas servirá como condutor de crescimento a taxas anuais de 150%. Também será essencial para o impulso da Internet das Coisas.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G