Clicky

NEGÓCIOS

Covid-19 impõe mais investimentos em TI nas empresas brasileiras em 2021

Por Roberta Prescott* ... 04/02/2021 ... Convergência Digital

Os executivos líderes da área de tecnologia da informação estão otimistas com relação aos gastos com TI para 2021, segundo aponta dados preliminares de pesquisa da IDC apresentados durante coletiva de imprensa, nesta quinta-feira 4/2. Em encontro virtual com jornalistas, Denis Arcieri, country manager da IDC Brasil, explicou que a pesquisa, apesar de ainda não estar concluída, aponta que perto dos 55% dos respondentes afirmaram que esperam que os gastos gerais de TI da organização aumentem em 2021 em comparação com 2020.

“No início do ano passado, tivemos o maior otimismo da década, mas foi no pré-pandemia, com os executivos sinalizando que iam aumentar investimentos. Daí, veio a pandemia e seguimos monitoramos os sentimentos. O momento fundo do poço foi em maio e junho, quando de 60% das empresas que sinalizaram aumento de investimentos em TI caíram para menos de 30%”, explicou Arcieri. 

Entre as prioridades de negócios em 2021 para impulsionar os investimentos em TI despontam: aumentar a produtividade da organização com 53%; redução dos custos da organização (45%); melhorar a aquisição e retenção de clientes (33%); balancear digital e físico na experiência do cliente e introduzir produtos e serviços novos e / ou aprimorados (ambos com 31%).

As principais mudanças decorrentes da pandemia, segundo explicou Denis Arcieri, foi que a TI ganhou uma maior relevância dentro das companhias. “A pandemia foi um grande acelerador de como os investimentos em tecnologia são vistos dentro das corporações. Percebemos uma mudança de comportamento para este ano”, disse.

Já com relação às principais iniciativas de TI para esse ano, a pesquisa preliminar apontou segurança de TI como a número um, apontada por 61%; seguida de inteligência (uso de big data, analytics, BI, IA, machine learning) com 52%; nuvem pública (IaaS e SaaS), com 43%; modernização do ERP com 32%, mesmo porcentual de experiência do cliente.

“Por esses números, pode parecer que nuvem perde a importância, mas não é a nossa interpretação. Na IDC entendemos que as companhias aumentaram a maturidade do consumo de nuvem. Quando fala em segurança, IA, ERP, estamos falando em nuvem. Assim, nuvem para de ser visto como item isolado, o que mostra uma maturidade”, esclareceu.

Expectativa de crescimento - Para este ano, a IDC espera um crescimento de 7,1% em tecnologia da informação e comunicação. Destrinchando por segmento, o mercado de hardware, software e serviços é o mercado que mais cresce, com 11,1%; seguido de TI empresarial com 9,7% (montante relativo a hardware, software e serviços, excluindo os produtos de consumo) e telecom com 1,9%, impulsionado pela maior demanda de serviços digitais.


Cloud Computing
Supercomputação definida por software chega ao mercado em 2023

Centro Nacional Suiço de Supercomputação (CSCS),  a Hewlett Packard Enterprise (HPE) e a NVIDIA Enterprise estão construindo o que definiram como o supercomputador com IA mais poderoso do mundo, com arquitetura de software nativa em cloud.

Intelsat contrata e abre centro de suporte a clientes no Brasil

Para o centro brasileiro, localizado no Rio de Janeiro, a empresa de satélite contratou 10 funcionários, que serão responsáveis pelo atendimento a clientes no país e em toda a América Latina.

Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

Em entrevista à CDTV, o executivo falou sobre os três objetivos estratégicos para 2021: reforma tributária digna para desonerar o emprego; formação de talento e medidas para garantir o uso intensivo de dados.

Produção setorial de TIC foi de R$ 506,5 bilhões em 2020

Apesar da crise econômica agravada pela Covid-19, o setor de TI e Comunicação cresceu 2.4% no ano passado, de acordo com dados da Brasscom. O segmento de software e serviços gerou R$ 216,1 bilhões, com crescimento de 5,1% e o de telecom, R$ 240,5 bilhões, mas com uma queda de 0,4%. Setor respondeu por 6,8% do PIB nacional.

Software brasileiro tem futuro ameaçado por falta de pessoas qualificadas

"O Brasil não tem de ser um celeiro de mão de obra, um BPO. Temos de fazer tecnologia. Mas falta política pública. Em 20 anos, nada aconteceu", lamenta o CEO da Plusoft, Solemar Andrade.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G