Clicky

Anatel rejeita pedido das móveis e encerra consulta sobre 6 GHz para WiFi

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/01/2021 ... Convergência Digital

A Anatel encerrou à meia-noite do domingo 24/1 a consulta pública 82, na qual foi discutida a proposta que destina toda a faixa de 6 GHz para o uso não licenciado. Tal medida favorece o uso de equipamentos como os roteadores WiFi e foi aplaudida por pequenos provedores, empresas de internet e fabricantes de componentes. 

Já as operadoras móveis e fornecedores de equipamentos de redes de telecomunicações insistiram na defesa de que a agência reserve a maior parte dessa fatia do espectro e aguarde o potencial uso futuro desse recurso em aplicações móveis, como talvez o 5G. 

A proposta consiste na destinação dos 1200 MHz entre de 5,925 GHz e 7,125 GHz para, como mencionado, o uso não licenciado. E é a resposta regulatória à nova geração WiFi, o WiFi 6E, que promete conexões de 10 Gbps. E com ela o Brasil alinha-se à opção feita, por exemplo, pelos Estados Unidos. 

A proposta é apoiada por entidades como Abranet e Abrint, que representam pequenos provedores de serviços de telecom, por empresas como a Oi, que centram a estratégia na internet fixa, e também por grandes empresas da web, como Facebook, Google, Microsoft, Apple, e fabricantes de componentes, como Intel, Qualcomm, Cisco. Radiodifusores e empresas de satélite também preferem a destinação a sistemas não licenciados. 

De modo geral, esse grupo aponta para os ganhos de inclusão digital com redes WiFi de nova geração. “É um passo crucial para a eliminar a brecha digital no Brasil. Facilita a disponibilização do acesso à banda larga a um baixo custo, assegurando que os cidadãos e as empresas brasileiras possam se beneficiar ao máximo da mais recente e mais avançada tecnologia não licenciada disponível”, aponta a Dynamic Spectrum Alliance, que reúne o campo pró-WiFi.

O ecossistema da telefonia celular – GSMA, Vivo, Claro, TIM, além de fabricantes como Huawei – prefere que dos 1200 MHz em debate, apenas 500 MHz fiquem para os sistemas não licenciados, de forma que os demais 700 MHz seja guardados para o futuro uso pelos celulares, como fez a União Europeia. 

Na verdade, esse campo até preferiria contar com a faixa toda para a telefonia móvel, como sugere a contribuição da Associação GSM (GSMA), ao apontar que “São Paulo não precisaria apenas de 700 MHz de espectro de 6 GHz para 5G, mas, em certos cenários, a cidade precisaria de toda a faixa – 1,2 GHz de espectro”.

Apesar de pedidos da GSMA, Vivo, Claro e TIM, além da Petrobras - preocupada com a recepção de VSATs em áreas de exploração - a Anatel entendeu que os 45 dias da consulta pública já foram suficientes. A partir das contribuições, o tema retorna para análise final do Conselho Diretor da agência. 


Internet Móvel 3G 4G
América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

Debate com representantes do México, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Argentina e Brasil mostrou que bandas altas no 5G, como 26 GHz, está longe de unanimidade na região.  Colômbia, que prevê leilão 5G no final do ano, não planeja vender a faixa de 26GHz.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.

Brasileiro retorna ao pré-pago e sonha com superaplicativo

O brasileiro diz que o pré-pago oferece maior flexibilidade de uso, de acordo com pesquisa global feita pela Ding. O estudo também mostra que os brasileiros querem um superaplicativo que combine mensagens instantâneas com mídia social, varejo e serviços.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G