Clicky

PGMU 5: Anatel troca metas de 4G por backhaul de fibra em todos os municípios

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/11/2020 ... Convergência Digital

A Anatel aprovou nesta quinta, 26/11, a minuta de Decreto para o quinto Plano Geral de Metas de Universalização, ou simplesmente PGMU 5 – as obrigações de cobertura e serviço impostas às concessionárias de telefonia fixa. Trata-se basicamente de um repeteco do que foi o PGMU 4, com uma diferença fundamental: caem as metas de cobertura de localidades com 4G e entra implantação de backhaul de fibra óptica em todos os 1.511 municípios onde essa rede ainda não existe. 

A imposição de metas de telefonia móvel em um instrumento associado à telefonia fixa foi uma invenção do então Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações ainda em 2018, quando publicado o Decreto 9.619, no apagar das luzes do governo de Michel Temer. Essa obrigação, no entanto, foi desde sempre criticada pela Anatel. E agora, com o novo PGMU 5, simplesmente desaparece. 

Segundo o relator da proposta no Conselho Diretor da Anatel, Emmanoel Campelo, com o mesmo saldo que seria usado para as metas de 4G será possível levar fibra a todos os municípios do país. Além disso, apontou que o novo Ministério das Comunicações é favorável à substituição das metas. 

“Os cálculos apontaram para a possibilidade de se atender todos os 1.511 municípios hoje sem rede de transportem em fibra óptica. Significa dizer que com essa obrigação, todas as sedes municipais brasileiras, ao final da meta [em 2025] estarão conectadas por rede de fibra óptica”, afirmou Campelo. 

O PGMU é motivo de conflito permanente entre as empresas e a Anatel, porque as teles reclamam da imposição de novas obrigações a partir do saldo gerado com metas que deixaram de ser exigidas. Por isso, rejeitam os valores calculados pelo regulador como o montante que deve ser transformado em benefícios aos brasileiros – que neste 2020 soma R$ 4 bilhões - embora excluindo-se o que eventualmente já foi cumprido no 4G, cai para R$ 3,79 bilhões. A discordância provocou um movimento de revolta entre as concessionárias, que se recusaram a assinar a revisão dos contratos naquele ano. 

Nada que as impedisse de aproveitar os benefícios. Vale lembrar que o PGMU 4 praticamente eliminou a obrigação em manter orelhões em funcionamento – dos 824 mil telefones públicos existentes naquele 2018, o número já foi reduzido para 174 mil neste 2020. Uma economia estimada pela agência em mais de R$ 1 bilhão por ano. 

A revisão dos contratos de concessão traz, nesse tema do saldo, uma medida expressamente apontada para evitar que se repita o protesto das concessionárias. A cláusula sobre o saldo das metas de universalização foi excluída. Segundo Campelo, “não se vislumbra prejuízo porque discutida em outros processos e registrada no PGMU”. 

Em que pese a torcida por uma aprovação célere do novo PGMU pelo governo, com o envio da minuta ao Ministério das Comunicações para repasse à Presidência da República, resta resolver o quórum do Conselho Consultivo da Anatel, que pelas regras precisa opinar sobre o conteúdo. 


Internet Móvel 3G 4G
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

Telefónica, Deutsche Telekom, Orange e Vodafone assinaram um acordo para promoção de redes de acesso abertas e interoperáveis (Open RAN), mas pedem recursos para ter implantação massiva a partir de 2022.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Abinee: Diferença de custo entre migração e mitigação no 5G é menor do que apontam teles

Estudo indica valores semelhantes aos projetados pela Anatel, de R$ 1,1 bilhão para o uso de filtros e R$ 1,8 bilhão para mudança da recepção de antenas para a banda Ku.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G