Clicky

INTERNET

Senado volta a pedir penas mais duras aos crimes cometidos pela Internet

Luís Osvaldo Grossmann* ... 26/11/2020 ... Convergência Digital

Em tempos de política movida a tuítes e postagens em redes sociais, agravada pela pandemia de Covid-19 e sessões de votação inteiramente remotas, o Senado Federal voltou a avançar sobre os crimes cometidos com uso da internet para considerá-los mais graves do que se realizados no mundo físico. 

Na noite de quarta, 25/11, aprovaram o Projeto de Lei 4554/20, que tem como mote agravar penas de crimes já previstos no Código Penal, no caso, invasão de dispositivo, furto e estelionato, empurrados por palavras de ordem do tipo “está na hora de conter essa criminalidade”, bravejadas pelo senador Lasier Martins (Podemos-RS). 

Nessa onda, os senadores aprovaram que a invasão de um dispositivo informático, que por enquanto prevê pena de três meses a um ano, passa a ser punida com reclusão de um a quatro anos. Ou seja, para os senadores, o crime merece condenação muito mais severa que a invasão de domicílio, que tem pena de detenção de um a três meses. 

Com essa mesma lógica, o crime de furto, que no Código Penal tem pena de reclusão de um a quatro anos, ganha como agravante ter sido cometido “por meio de dispositivo eletrônico ou informático” – nesse caso, a pena prevista vai para reclusão de quatro a oito anos. 

Igualmente, no crime de estelionato, a pena que é de reclusão de um a cinco anos vai para de quatro a oito anos se for cometido com informações obtidas “por meio de redes sociais, contatos telefônicos, ou envio de correio eletrônico fraudulento”. 

Até houve quem tentasse alertar para a evidente distorção. “A banalização do Direito Penal como solução para todos os males que o Brasil enfrenta precisa ser rebatida. O crime de furto é de médio potencial ofensivo, com pena de um a quatro anos. O projeto estabelece qualificadora com pena de quatro a oito anos de reclusão e multa, o que me parece desproporcional em relação a outros crimes, como corrupção e sonegação fiscal, cuja pena mínima é de dois a três anos. Não podemos criar distorções e desbalanceamento em relação a outros tipos penais”, destacou o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). 

Alvaro Dias (Podemos-PR), também tentou chamar a atenção dos colegas. “O projeto tem dois meses no Senado. O relator teve tempo exíguo para o relatório, não poderia aprofundar o conhecimento da matéria e submeter ao Plenário um produto pronto e acabado. O correto seria uma discussão mais aprofundada, apesar da urgência do momento da pandemia, em que se verifica aumento de fraudes com uso dos meios eletrônicos.” 

Não adiantou. Aprovado, o PL 4554/20 segue para a Câmara dos Deputados. 

* Com informações da Agência Senado


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

HelpSystems mira LGPD e investe em classificação de dados

Finalizada a incorporação dos fornecedores Titus, Boldon James e Vera, a provedora ganha presença nacional e avança no segmento de classificação de informações confidenciais.

Oi oferta 1 Giga atenta a demanda dos clientes no FTTH

Operadora terá duas modalidades de oferta: banda larga + VoIP e banda larga+ IPTV. Objetivo é atrair novos consumidores para a base de clientes, revela Bernardo Winik, VP de clientes da Oi.

Fapesp abre chamada estratégica para Internet de R$ 30 milhões

Podem ser apresentadas propostas em temas como software livre, dados abertos e padrões abertos, entre outras.

Pix precisa avançar na proteção ao consumidor nas compras online

Para não ter dor de cabeça com sites fraudulentos, problemas na entrega ou cancelamento das compras feitas na Internet, o consumidor precisa ter atenção redobrada, adverte o CEO da paySmart, Daniel Oliveira.

Idec cobra ANPD, Senacon e Cade por medidas contra mudanças no WhatsApp

Entidade de defesa do consumidor alega que por não permitir consentimento, nova política de privacidade e termos de uso violam LGPD. Novo modelo da OTT está previsto para vigorar a partir do dia 15 de maio.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G