Clicky

Embratel reorganiza dados para conhecer melhor o cliente

Por Roberta Prescott* ... 17/11/2020 ... Convergência Digital

O uso de ferramentas de análise tem sido um grande aliado das prestadoras de serviços de telecomunicações para entregar serviços mais direcionados e melhorar a experiência do cliente. A Embratel começou com analytics para manutenção e qualidade de redes, tanto a fixa, quanto a móvel junto com a Claro e, conforme explica Mário Rachid, diretor-executivo de Soluções Digitais, a telco evoluiu para fazer o cruzamento desses dados com os de clientes para conhecê-los melhor e oferecer pacotes sob medida.

Assim, combinou soluções proprietárias de empresas parceiras como Huawei, Cisco e Alcatel, que fornecem ferramentas para analisar os dados da rede, com ferramentas de análise para fazer o cruzamento. "Trabalhamos muito com o SAS e cruzamos dados nossos com outras bases, inclusive, com a da Google, para oferecer pacotes que tenham mais a ver com o perfil de uso. E isso só é possível quando passamos a conhecer melhor o cliente", diz.

O diferencial, reforça Mário Rachid, é fazer o cruzamento de dados oriundos de diversas áreas, da rede ao CRM (Customer Relationship Management). "É com isso que tiramos as conclusões. Para tanto, é necessário fazer a reorganização dos dados e conhecê-los a fundo”, detalha. "Nós viemos da fusão de três empresas, e isso levou tempo. Hoje, temos mais de 20 cientistas de dados trabalhando na companhia, cruzando os dados", acrescenta.

Sem revelar números, Rachid aponta que os investimentos foram principalmente em hardware e no uso de cloud. "Fazer o cruzamento não é simples. É um trabalho que vem sendo feito nos últimos três anos de maneira mais forte e, agora, colhemos mais frutos. Temos as pessoas, as ferramentas; estamos chegando a um nível de amadurecimento interessante", enfatiza.

Rachid classifica a Embratel em um estágio inicial de toda a potência de uso e cruzamento de dados. "Já temos alguns resultados, mas estamos em estágio inicial. Já conseguimos, por exemplo, na renovação de clientes, discutir o que ele usa mais e o que se pode fazer. Hoje, consigo, quando vou negociar contrato de B2B, falar do consumo de ferramentas, como Microsoft Teams, e ajustar a franquia se estão usando menos minutos. Quando nos sentamos com o cliente, conseguimos fazer análise e montar um plano na medida", conta.

Todo esse panorama vem da análise do cruzamento de dados da rede combinada com sistemas de CRM, billing e outros. "Caminhamos para uma personalização maior, mas tem de ter cuidado, porque tem questões éticas, tem a LGPD. Qual é o limite do uso dos dados? Tem de validar muito a questão ética e regulatória", pontua.

LGPD

Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), o cuidado com os dados precisa ser maior. "Fizemos uma adaptação grande nos sistemas antigos, legados, porque havia coisas que precisavam ser melhoradas", relata Rachid. O projeto começou há cerca de um ano e meio e, segundo ele, hoje, ainda não está 100% concluído, mas tem tudo mapeado. "Já fizemos alterações em 90% das aplicações, as principais e que são de mais alto risco. Essas já estão adaptadas. As que ficaram são as de baixo risco."


Internet Móvel 3G 4G
TIM entra na disputa pela gestão da iluminação pública com rede de IoT

Operadora fechou parceria com a M2M Telemetria para participar dos principais projetos voltados à nova gestão dessa infraestrutura pública. Tele conta com a cobertura da rede dedicada de NB-IoT, no 4G, presente em 3460 cidades do país.

Minicom cede Artur Coimbra para ser corregedor da ANPD

O secretário de radiodifusão, Max Martinhão, acumula interinamente a Secretaria de Telecomunicações. Segundo a pasta, ainda não há novo nome para substituir Artur Coimbra.

Anatel apreende 15 mil carregadores de celulares na 25 de Março, em São Paulo

Equipamentos não homologados foram avaliados em R$ 180 mil e foram recolhidos em um único distribuidor. Outros 11 mil carregadores foram apreendidos em três operações durante o mês de novembro.

TIM: dizer que 5G DSS não é o 5G é obrigatório para não queimar a tecnologia

Operadora informa que vai ter o 5G DSS em 12 capitais para testes em bairros, mas sustenta que a transparência é crucial. "O 5G DSS tem latência do 4G", afirma o CTIO, Leonardo Capdeville. Nas capitais, o 5G DSS será exclusivo para mobilidade. O acesso banda larga fixa - FWA - continuará em piloto.

Claro: Hábitos da quarentena transformaram as redes móveis

O diretor de Marketing da operadora, Márcio Carvalho, assegura que o 5G DSS está cumprindo bem o seu papel em grandes mercados, uma vez que a jornada até o 5G 'sonhado' deve levar algum tempo no Brasil.




  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G