Clicky

OCDE defende Agência reguladora unindo Anatel, Ancine e Ministério

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/10/2020 ... Convergência Digital

A convergência tecnológica torna cada vez mais inadequadas as separações regulatórias entre radiodifusão e telecomunicações, aponta a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico em relatório que analisa os dois ambientes no Brasil. Para a entidade, o caminho natural seria o Brasil copiar exemplos internacionais como Austrália, Hungria e Reino Unido e fundir as agências que tratam do tema, caso da Anatel e Ancine, inclusive incorporando funções que atualmente estão no Ministério das Comunicações. 

“A criação de uma agência reguladora unificada, distanciada da formulação de políticas, ajudaria a simplificar o regime regulatório e a lidar com a nova realidade convergente. Nesse sentido, as outorgas de espectro de serviços de radiodifusão e de comunicações beneficiar-se-iam ao ser conduzidas por uma só entidade”, diz a Avaliação da OCDE sobre Telecomunicações e Radiodifusão no Brasil 2020, apresentada nesta segunda, 26/10. 

“No caso do Brasil, as funções regulatórias da Ancine e da Anatel, assim como alguns poderes regulatórios do MCTIC sobre a radiodifusão, devem ser fundidos para criar essa agência reguladora unificada. Se for preciso que uma autoridade independente promova o conteúdo audiovisual nacional, a Ancine poderia manter a competência de formulação de políticas na área”, diz o documento. Como foi elaborado antes da recriação do Ministério das Comunicações, o relatório se refere ao então Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. 

A essência, no entanto, é que os aspectos de regulação, que estão nas duas agências mencionadas, como a própria concessão das outorgas para radiodifusão, que é uma das atribuições do Minicom, deveriam ser reunidas em um único ente regulador. “À medida que a convergência ganha força, tanto os diferentes regimes de prestação de serviços de comunicações e radiodifusão como as diferentes agências reguladoras de comunicações e radiodifusão tornam-se anacrônicos”, diz a OCDE. Daí que “a criação de um regulador convergente e independente ajudaria a simplificar o regime regulatório e abordar a nova realidade convergente. Uma única entidade deveria outorgar espectro para os serviços de radiodifusão e de telecomunicação”, até para evitar o que, ressalta, é um "regime é complexo e abre espaço para influência política na concessão de outorgas de sinal aberto". 

Com o mesmo objetivo, a OCDE sugere reunir e simplificar o próprio licenciamento, eliminando até as distinções entre TVs aberta e fechada. “Para facilitar a entrada no mercado e adaptar o arcabouço legal à convergência, recomenda-se um regime simplificado de licenciamento único para os serviços de comunicação e de radiodifusão. Ademais, o Brasil deve remover as restrições à integração vertical da cadeia de valor da TV por assinatura e à propriedade cruzada entre as telecomunicações e serviços de TV por assinatura ‒ tanto de provedores de serviços nacionais como estrangeiros. A avaliação de fusões verticais deveria ser conduzida caso a caso.”

Sem a defendida fusão, a OCDE defende maior clareza nos conflitos de competência. “Na ausência de uma agência reguladora unificada, o Brasil precisa estabelecer um processo para resolver disputas entre autoridades competentes durante avaliações de fusão nos setores de comunicações e radiodifusão, o que pode incluir uma emenda à lei de defesa da concorrência de 2011 ou à lei do SeAC. Uma solução seria preservar a natureza não vinculante dos pareceres técnicos. Tal medida poderia exigir que o Cade justifique sua decisão final caso decida não seguir as recomendações da Anatel ou da Ancine.”

Finalmente, a OCDE aponta para a questão da relação entre telecomunicações e internet, mas reconhece que o tema é incipiente. “Isso exigiria uma discussão mais ampla sobre o mandato de agências reguladoras de comunicações em relação a plataformas digitais, o que ainda está sendo debatido em muitos países da OCDE.” Ainda assim, entende que “serviços de comunicações classificados como serviços de valor adicionado, como a prestação de serviços de conexão à Internet, deveriam ser simplificados sob um regime de licença única. Isso não implica que outros SVAs (como OTTs, plataformas e aplicativos online) estariam sujeitos a regulamentações adicionais”. 


Internet Móvel 3G 4G
Leilão 5G: Embaixada da China reage forte contra filho do presidente Jair Bolsonaro

O deputado federal Eduardo Bolsonaro publicou twetts acusando as empresas chinesas de praticar espionagem cibernética e defendeu a iniciativa- comandada por Trump, que perdeu as eleições nos EUA - de criar uma aliança internacional para discriminar a tecnologia 5G, leia-se, Huawei, no mundo.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Portabilidade: Claro é a tele com mais adesões. Oi e TIM cedem assinantes

Oi, na fixa, e TIM, na móvel, foram as operadoras que mais cederam assinantes com a possibilidade de troca de empresa mantendo o mesmo número. Já a Claro foi a operadora que mais ganhou clientes nos 12 anos do serviço.

Nova Oi busca eficiência operacional e personalizar ofertas ao cliente

Network analytics tem diversos níveis de maturidade e vai desde a proximidade maior com a infraestrutura da rede até análises mais especializadas do serviço, afirma o diretor de Estratégia, Tecnologia e Arquitetura de Rede da Oi, Mauro Fukuda.

Artur Coimbra é nomeado como novo Secretário de Telecomunicações

Mudança era esperada com a passagem de Vitor Menezes da Setel para a Secretaria Executiva do Minicom. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G