NEGÓCIOS

Itaú: monitoramento de contas para o PIX não fere a LGPD

Ana Paula Lobo ... 30/09/2020 ... Convergência Digital

O diretor de Segurança Corporativa do Itaú, Adriano Volpini, descartou a possibilidade de o monitoramento das transações dos clientes- uma das medidas para assegurar o combate às fraudes no PIX, sistema de pagamento instantâneo, que entra em operação no dia 16 de novembro, e promete revolucionar o sistema financeiro - ferir a Lei de Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).

"Não enxergo conflitos nas ações de monitoram as transações dos correntistas porque elas acontecem para a proteção dos dados dos próprios clientes e estão dentro dos processos de interesse definidos pela própria LGPD. Os dados são usados para proteger o correntista. Todos os nossos processos estão adequados à LGPD", garantiu Volpini.

Segundo ele, há ações de segurança ainda em discussão com o Banco Central - como a definição dos limites para transações nos finais de semana e nas madrugadas, como acontece, hoje, nos caixas eletrônicos. "Ainda há muito a ser decidido, mas nós desenvolvemos todos os nossos aplicativos com segurança embarcada com uso de algoritmos robustos", relatou. O Itaú adiantou que, atualmente, são 300 pessoas dedicadas ao PIX, com a participação de 60 áreas da instituição e com mais de 280 novas funcionalidades desenvolvidas apenas para o PIX.

O pré-cadastramento das chaves para o PIX começou nos bancos e os correntistas serão validados a partir do dia 05 de outubro. O Itaú informa que um correntista não poderá usar o celular, por exemplo, para fazer o cadastramento em dois bancos que tenha conta. "Se usar o celular como chave no Itaú, não poderá usá-lo em qualquer outro banco. Vai ter de usar outro meio possível, no caso o CPF, o CNPJ ou o e-mail. Se o correntista usar no pré-cadastro nos dois bancos, para quem ele confirmar primeiro, fica valendo o celular", explicou Carlos Eduardo Peyser, diretor estratégia PME e Open Banking.

O Itaú decidiu apresentar o PIX como prioridade para os clientes, mesmo com a perda de receita com TED e DOC. "Não há como remar contra. O PIX será gratuito para o consumidor final. Então, ele vai querer. Não vou dizer quanto que vamos perder de receita com a redução do uso de TEDs e DOCs, mas estamos com oportunidades em outras áreas, como ser o elo para os participantes indiretos, como os varejistas, na comunicação com o Banco Central", pontuou Peyser.

"Apenas os bancos e as instituições reguladas vão poder se comunicar diretamente com o Banco Central, que dará a infraestrutura e será o responsável por manter a rede funcionando integralmente. O varejista precisará de uma instituição e apostamos nesse cenário", adicionou o diretor de estratégia PME e Open Banking do Itaú.


Cloud Computing
AWS: Nuvem responde às exigências da LGPD

“A LPGD foi criada até pela expansão do uso dos dados, porque temos que nos preocupar muito quem acessa, como ele está armazenado, como está criptografado”, afirma Jorge Ruas, da AWS. 

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Fintechs mostram sua força no cadastramento para o PIX

Banco Central revela que Nubank, Mercado Pago e PagSeguro foram as instituições com mais cadastros de chaves de identificação para o uso do pagamento instantâneo, a partir de 16 de novembro. Em nove dias, o Banco Central contabiliza 33,7 milhões de cadastramentos.

STJ: Uso de criptomoedas para lavar dinheiro é crime de competência estadual

Criptomoedas não são caracterizadas pelo Banco Central como moeda tampouco são consideradas valor mobiliário pela Comissão de Valores Mobiliários, portanto, o ministro Felix Fischer, do STJ, entendeu que não cabe à justiça federal julgar crimes envolvendo o ativo.

ABES: desoneração da folha é vital para manter empregos em software e serviços

O Brasil cresceu 10,5% em TI em 2019, e deverá, apesar da Covid-19 e da crise econômica, registrar um crescimento de 4% em 2020, afirmou o vice-presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira das Empresas de Software, Jorge Sukarie.

Transformação digital é mudar a mentalidade de produto para solução ao cliente

"Não precisamos da furadeira, mas, sim, do buraco na parede", exemplificou Thales Teixeira, fundador da decouping.co, ao revelar o impacto da jornada digital. Para Teixeira, a inovação está no modelo de negócios. "A tecnologia é só um motor", pontuou.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G