INOVAÇÃO

Transformação digital: corporações tradicionais estão dispostas a aprender com as startups?

Por Roberta Prescott* ... 29/09/2020 ... Convergência Digital

O que as grandes e tradicionais companhias podem aprender sobre transformação digital com startups? A resposta objetiva é: muita coisa. Mas para tanto essas corporações precisam estar dispostas a mudar processos, assim como as startups devem tomar medidas para atenderem a exigências das corporações. O balanço foi a tônica dos discursos de Alan Leite, CEO da startup Farm e especialista em ecossistemas de empreendedorismo; Orlando Cintra, membro do conselho, diretor e fundador da BR Angels; Itali Pedroni Collini, diretora da 500 Startups Brasil, e Ricardo Brandão, CEO e cofundador da Sky.One Cloud Solutions, durante debate na Abes Software Conference 2020, nesta terça-feira, 29/09.

Os especialistas compararam as companhias a transatlânticos que navegam mais devagar, mas cruzam oceanos, enquanto as startups são lanchas que navegam em altas velocidades, mas não cobrem distâncias muito longas. "Como aliar inovação é ponto-chave no processo. Corporação e startups têm velocidades distintas. É muito importante que as organizações alinhem bônus, métricas de avaliação para se relacionarem com as startups", ressaltou Alan Leite, da Farm.

Estabelecer métricas não financeiras é a recomendação da Itali Pedroni Collini, da 500 Startups Brasil. "No começo não vai conseguir medir; leva um tempo. Tem de colocar o pé na água e entender que buraco é mais embaixo, entender o que precisa", argumentou. Para a executiva, existe também a necessidade de identificação da verdadeira intenção da corporação ao se juntar ou recorrer a startups. "Muitas vezes, acabam se dando conta de que corporação está querendo seguir tendência, mas não encontrou propósito naquela tendência. É preciso entender a verdadeira intenção e abertura que a sua corporação tem e como trabalhar isto internamente para que todos os envolvidos", assinalou.

Olhar no longo prazo também é necessário, conforme pontuou Orlando Cintra, da BR Angels. "Na pandemia, as empresas acordaram que precisam de programa de inovação, o sentido de urgência apareceu. Mas tem de haver liderança tem de querer genuinamente fazer isto, de viver a inovação", disse, esclarecendo que é preciso investir. Ricardo Brandão lembrou que, há seis anos quando a Sky.One começou, a contratação por uma grande empresa era baixíssima, porque era exigida uma série de requisitos que as startups simplesmente não tinham. "As RFPs limitavam o processo de contratação. Mas isto veio mudando ao longo do tempo", disse.

Para ele, os projetos de transformação digital precisam contemplar planos no curto, médio e longo prazos; e as companhias têm de entender o que realmente querem transformar antes de levar startups para dentro de casa. "Simplesmente pegar a startup e colocar dentro do processo vai acabar matando. O que uma startup tem a mostrar é a cultura de poder errar rapidamente para depois poder acertar com escala maior", proferiu.

Mudar a mentalidade das grandes não é fácil, mas é necessário para fazer o relacionamento com startups dar certo. "A grande corporação tem de inovar e para isto já percebeu que tem de olhar o ecossistema; e a relação com startups está cada vez mais próxima", disse Orlando Cintra. Para uma rota mais rápida de aproximação das companhias tradicionais com startups, Alan Leite indica a transparência e a identificação dos problemas a serem resolvidos.

"O ativo que as startups têm é o tempo. Seja transparente se vai contratar ou não. E a dica de outro é partir de quais são seus três principais problemas, se muda um deles, já muda. Se conseguir fazer um projeto que mude a realidade, vai pagar o investimentos e mudar de patamar", explicou Cintra. Para Ricardo Brandão, o sucesso está no equilíbrio. "Falamos da grande empresa engessada, com regras de compliance e é preciso flexibilizar, enquanto que para startups fica a lição de entender quais os níveis de compliance, de governança e o que precisam fazer para entrar nas grandes", ensinou.


Cloud Computing
AWS: Nuvem responde às exigências da LGPD

“A LPGD foi criada até pela expansão do uso dos dados, porque temos que nos preocupar muito quem acessa, como ele está armazenado, como está criptografado”, afirma Jorge Ruas, da AWS. 


Fiemg lab e Fiat Chrysler automóveis (FCA) buscam startups de Supply Chain e Manufatura

Competição está com inscrições abertas até o dia 28 de outubro. Oito projetos serão selecionados e terão testes industriais em 2021.

Waze: força das comunidades e dos 50 mil voluntários fazem a diferença

A colaboração é o segredo do sucesso do Waze e estabelecer canal ativo com os clientes é missão, contou a Global Group Manager, Hila Roth.

Inovar é deixar de olhar para o próprio umbigo

Marcelo Salim, da IBM, Percival Jatobá, da Visa e Ana Leão, da Isobar, assumem que o consumidor é quem está selando o destino das marcas e com voz mais ativa.

TOTVS Techfin: Na crise, sobrevivem os mais adaptáveis às mudanças

O momento exige resiliência e perseverança, mas a crise acelerou uma jornada e colocou, de vez, o consumidor como o centro dos negócios, afirmou Eduardo Neubern, diretor-executivo da Totvs Techfin.

Empresas estão comprando tecnologia, mas não fazem a transformação digital

Sem entender o consumidor, a transformação digital simplesmente não vai acontecer, atestaram Sílvio Meira, cientista-chefe na The Digital Strategy Company; Luiz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil, e Agenor Leão, vice-presidente de plataformas de negócios da Natura para América Latina.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G