Convergência Digital - Home

Qualcomm: 5G vai mudar o uso da computação em nuvem

Convergência Digital
Por Wanise Ferreira* - 08/09/2020

A tecnologia 5G terá um impacto muito maior do que qualquer outra forma de conectividade do passado. Esta é a visão do presidente da Qualcomm, Cristiano Amon, sobre a nova revolução tecnológica que se aproxima. Para ele, o 5G poderá ser utilizado tanto para banda larga quanto para serviços de missão crítica, como aplicações industriais e conexão de tudo à nuvem, 100% do tempo e de maneira confiável.

Ele ressaltou que o 5G foi desenvolvido para utilizar todas as redes de espectro disponíveis, desde as frequências mais baixas, hoje empregadas pela tecnologia móvel, até novas faixas indo para as ondas milimétricas e ainda com diferentes tipos de configuração de redes, tanto públicas quanto privadas. O que se pode notar mundialmente, destacou, é que diferente do 4G ninguém quer ficar atrás na corrida do 5G. “Isso faz todo sentido porque o 5G vai praticamente se transformar no acelerador da economia digital”, completou.

Na sua avaliação, existem muitos casos de uso do 5G que ainda não foram inventados. De acordo com ele, a expectativa é de 1 bilhão de conexões  5G até 2023 . Para 2025, o número sobe para 2,8 bilhões de assinaturas.

Em relação à transformação que o 5G vai exigir nas empresas, Amon lembrou que a tecnologia mudará a nuvem e provocará um desenvolvimento acelerado da inteligência artificial. “Se o 5G permite conexão à nuvem 100% do tempo, a nuvem contará com uma quantidade enorme de dados que terá de ser processada, e a inteligência artificial vai possibilitar várias aplicações. Com isso, a nuvem também se desloca; sai dos datacenters e começa a ficar mais próxima dos terminais”, disse.

Para o executivo, outra mudança importante é como se pensa hoje nas redes. “Há uma desagregação que também vem junto com o 5G. Então, as redes que eram totalmente verticalizadas estão passando por esse processo, em que haverá uma rede virtual na parte de rádio e que também será uma infraestrutura aberta”, pontuou.

“Não há mais um problema de tecnologia, isso já está resolvido. Agora é apenas uma questão de termos maturidade das redes, principalmente com onda milimétrica”, ressaltou. O executivo disse ainda que veremos uma revolução dos smartphones e mais outro device que poderá ser utilizado, como, por exemplo, dispositivo de realidade aumentada.



Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site