SEGURANÇA

Ministério Público ignora quebras de segurança da urna eletrônica e arquiva investigação

Luís Osvaldo Grossmann* ... 03/08/2020 ... Convergência Digital

O Ministério Público Eleitoral arquivou um pedido de investigação sobre a segurança das urnas eletrônicas e a implantação do sistema de voto impresso. A principal justificativa é que o Supremo Tribunal Federal, por duas vezes, derrubou tentativas do Congresso Nacional de impor a impressão do voto. Mas o MPE também sugere que jamais houve sucesso em violar a segurança da urna. 

Segundo informa o Ministério Público “a Justiça Eleitoral realizou testes públicos de segurança em 2009, 2012, 2016, 2017 e 2019 nos quais nenhuma tentativa de adulteração dos sistemas ou dos resultados da votação obteve êxito”. É uma afirmação questionável. Desde 2012, quando uma equipe da UnB conseguiu recuperar os votos da urna, todas as edições de testes promovidos pelo Tribunal Superior Eleitoral registraram ataques bem sucedidos, que levaram a mudanças no sistema. 

O pedido de investigação questiona não ter sido implantado no país o sistema pelo qual o voto eletrônico é impresso e depositado na urna. O principal óbice é jurídico. O Congresso Nacional tenta há mais de uma década adotar esse sistema híbrido, mas a medida foi rejeitada pelo TSE e pelo STF, este último ao declarar inconstitucionais as duas leis aprovadas (12.034/2009 e 13.165/2015) que exigiam a impressão do voto. 

Além disso, para o MPE, auditorias da Justiça Eleitoral garantiriam a segurança do sistema exclusivamente eletrônico. "Em relação à segurança do sistema usado nas urnas eletrônicas, ressalta-se que, nas Eleições 2018, houve a realização de auditorias, em tempo real, em diversas urnas localizadas pelo país, ocorridas antes do início da votação e acompanhadas por representantes dos candidatos, partidos políticos, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pelo Ministério Público Eleitoral, o que garantiu a segurança do sistema de votação”, aponta o vice-procurador-geral Eleitoral, Renato Brill de Góes, ao arquivar o pedido. 

* Com informações do MPF


Zoom é isca em 99% dos ataques com ferramentas de ensino online

Segundo levantamento das empresas de segurança Kaspersky, em todo o mundo invasões desse tipo cresceram 20.000%. Brasil é o quinto país mais atacado. 

Ataques de phising crescem 600% na AL. Netflix é o alvo dos hackers

Campanha em nome da OTT se distribui por meio de um e-mail com o assunto "Alerta de notificação". A mensagem informa sobre uma suposta dívida acumulada em nome da vítima que pode levar à suspensão do serviço caso não sejam tomadas medidas rápidas.

Brasil sofreu mais de 2,6 bilhões de ataques cibernéticos no 1º semestre

Configuração incorreta de servidores é o principal responsável pela maior parte das tentativas de invasão, reporta estudo da Fortinet. Cai o número de tentativas de golpes usando a Covid-19.

Prejuízo médio com violação de dados sobe para R$ 5,8 milhões no Brasil

Estudo da IBM mostra que o aumento no valor foi de 10,5% em relação a 2019. O levantamento traz uma advertência: aumentou o prazo para contenção do vazamento nas empresas para 115 dias. Credenciais roubadas ou nuvens com configurações incorretas foram as brechas para as invasões.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G