Home - Convergência Digital

Desenvolvedores de software revelam medo e falta de preparo para desastres

Ana Paula Lobo - 23/07/2020

Uma pesquisa mundial com a comunidade de TI confirmou que houve impactos na produtividade e no bem-estar dos profissionais da área ao trabalharem em casa neste período da pandemia da COVID-19. No Brasil, a pesquisa foi comandada pelo Prof. Marcos Kalinowski, do Departamento de Informática do Centro Técnico Científico da PUC-Rio (CTC/PUC-Rio).

Os resultados mostraram que o trabalho remoto, de forma não planejada, a falta de preparação para desastres, o medo relacionado à pandemia e a ergonomia do espaço do trabalho doméstico estão agravando a redução do bem-estar e da produtividade dos profissionais.

Ela revelou ainda que mulheres, pais e pessoas com deficiência podem ser afetados desproporcionalmente. A pesquisa foi lançada em 12 idiomas, respondida por profissionais de cerca de 50 países e, do total de 2.225 respostas válidas, 272 foram do Brasil (12,2%). Ao Convergência Digital, o professor Marcos Kalinowski, da CTC/PUC-Rio, explicou o porquê do impacto nos profissionais de TI.

1) A pesquisa diz que os profissionais de TI perderam produtividade no home office durante a pandemia. Como se percebeu isso? Quais são as áreas de TI mais afetadas?

O que a pesquisa diz é que os desenvolvedores de software perderam produtividade no home office no contexto da pandemia, não necessariamente pelo home-office em si. Muitas pessoas fizeram a migração sem um aviso ou um planejamento prévio, sob condições difíceis e de estresse. A pesquisa observou que, no contexto da pandemia, se obteve perda tanto no bem-estar quanto na produtividade dos profissionais ao migrarem para o formato de home-office. Entre os fatores que mostraram afetar o bem-estar e a produtividade foram observados a falta de preparo para desastres, o medo relacionado à pandemia, e a falta de ergonomia do ambiente de trabalho. Foi observado ainda que a produtividade de mulheres, pais e pessoas com deficiência foi mais fortemente afetadas.

2) Muitas pesquisas dão conta que os funcionários não querem voltar para os escritórios. Por que com os profissionais de TI funciona diferente?

A pesquisa focou em desenvolvedores de software, que normalmente dependem de seus equipamentos (por exemplo, um segundo monitor), de uma infraestrutura técnica (por exemplo, uma VPN, acesso a dados e ferramentas, integração com outros sistemas) e de processos que comumente envolvem comunicação e cerimônias ágeis para a troca de informações.

Uma prática comum em processos de desenvolvimento de software, por exemplo, é realizar a comunicação do status dos projetos utilizando post-its fisicamente dispostos na parede. O excesso de reuniões após a migração para o home office também foi frequentemente apontado como afetando a produtividade negativamente. Logo, é necessário que se disponibilize equipamentos, que se facilite o acesso à infraestrutura utilizada para o desenvolvimento e que se realizem adaptações nos processos e em suas práticas.

O momento de pandemia trouxe uma insegurança em relação à manutenção da receita e do emprego, o medo relacionado à saúde, a mudança repentina para um ambiente de trabalho que nem sempre possui a ergonomia adequada, a sobrecarga com atividades como o apoio à educação dos filhos, entre outros. Logo, ações na direção de assegurar a compreensão no momento de adaptação, de apoiar a ergonomia do ambiente de trabalho, e de apoiar a saúde física e mental dos funcionários também podem ser benéficas. De fato, dependendo de seus processos e da maneira que cada empresa está apoiando o bem-estar de seus funcionários, ela pode até experimentar ganhos de produtividade. Mas a pesquisa aponta nitidamente que este não é o caso para a maioria dos desenvolvedores.

Motivação

O Chief Human Resource Officer da OLX Brasil, Sergio Povoa, diz que a companhia não registrou queda em produtividade em nenhum dos setores, mesmo com 100% da equipe trabalhando à distância desde 16 de março. Mas assume que medidas foram tomadas para impedir a baixa no rendimento. Entre elas, foram disponilizados notebooks, celulares corporativos e modems para acesso à internet, empréstimo de cadeiras dos escritórios, sessões on-line de conversas com psicóloga, ginástica laboral, meditação e yoga. Povoa conta que acontece desde o começo do isolamento social, uma reunião semanal com o CEO para se falar sobre qualquer tema, sem moderação e mostrar o andamento do negócio.

Já o sócio e gerente de área de desenvolvimento da Visagio, Izaías Miguel, conta que houve uma preocupação efetiva com a saúde física e mental dos trabalhadores. Diversas ações foram implementadas como webinars com especialista em saúde mental, happy hours virtuais, discussões individuais e em grupo de mentores com mentorados sobre boas práticas, etc, com uma frequência até muito maior agora, com a pandemia. Segundo Miguel, a receptividade tem sido boa, com nível bem alto de presença nas ações e eventos até agora e boa avaliação do time.


Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

18/09/2020
Paul Krugman: crise econômica está longe de passar no mundo

18/09/2020
Bradesco: Empresas entenderam na dor as mudanças impostas pela Covid-19

17/09/2020
Natura: sistemas na nuvem foram aliados para enfrentar a Covid-19

16/09/2020
Claro e TIM, por R$ 3 milhões/mês, fornecem internet para 540 mil no Distrito Federal

09/09/2020
Volta ao escritório pós-Covid-19 chega a 62% até dezembro

03/09/2020
Sem interesse das teles, Brasília estuda isenção de ICMS para internet de alunos

02/09/2020
Governo retira Covid-19 da classificação de doença ocupacional

31/08/2020
Covid-19: software para laboratórios permite colher dados de 5 mil pacientes por dia

26/08/2020
Indústria eletroeletrônica cresce 4,5 mil vagas em julho

19/08/2020
Governo prorroga Pronampe, mas crédito às PMEs ainda aguarda R$ 12 bilhões

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Acordo trabalhista em Goiás será pago em Bitcoins

Em conciliação realizada pelo TRT de Goiás, empresa de mineração aceitou o pagamento no valor de R$350 mil convertidos na moeda eletrônica. 

Teletrabalho: Novo PL quer acordo prévio para custos com Internet e PCs

Iniciativa também não permite que o tempo de uso dos aplicativos, como o WhatsApp, fora da jornada normal, seja um regime de prontidão. Projeto tem regras distintas da IN 65 do Governo Bolsonaro para os servidores públicos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site