Clicky

Convergência Digital - Home

Empresa nacional de big data cria banco de dados com fotos de foragidos da Justiça

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 13/07/2020

A BigDataCorp, criada em 2013 e 100% nacional, lançou um banco de dados de referência com mais de 2,5 mil rostos de pessoas procuradas pela Justiça, tanto no Brasil quanto no exterior, baseados em fotos de instituições oficiais como Polícia Civil, Ministério da Justiça, Interpol e FBI. Em entrevista ao Convergência Digital, o presidente da BigDataCorp, Thoran Rodrigues, admite que o viés é uma questão em alta no reconhecimento facial, mas sustenta que a tecnologia é boa e precisa ser usada para um  fim específico em prol da sociedade.

"A nossa opção foi fazer um algoritmo, open source, para tirar o máximo possível de viés para se ter um sistema o mais perto possível da transparência necessária. Não fizemos um algoritmo para reconhecimento facial genérico. Nossa solução não ajuda a polícia a reconhecer alguém. Nosso algoritmo é para prevenir fraudes", observa Rodrigues.

Para o executivo, é preciso desmitificar a decisão de AWS, IBM e Microsoft de não venderem mais diretamente para a polícia nos EUA. "Elas não estão vendendo com a marca delas. Mas vendem a tecnologia para terceiros revenderem. Elas não abriram mão do reconhecimento facial como mercado. Apenas restringiram o escopo para um segmento por tudo que aconteceu naquele país", pontua Thoran Rodrigues.

No caso da BigDataCorp, as fotos das base de dados são enviadas para comparação por meio de uma API (Interface de Programação de Aplicações, em português, também chamado de web service), e podem ser tanto selfies do usuário quanto fotos de documentos oficiais. O cruzamento dos dados é realizado através do Facematch, ou comparação biométrica de rostos, que leva em consideração mais de 300 pontos de referência nas imagens, garantindo precisão mesmo que existam alterações no rosto devido à idade ou a mudanças cosméticas. Dessa forma, a comparação se dá totalmente independente das informações pessoais apresentadas e possibilita a identificação desses indivíduos, ainda que estejam utilizando documentos alterados. 

"Esse é o mercado menos charmoso do big data, mas é muito essencial para diversas verticais como finanças, varejo e outros. As fraudes acontecem cada vez mais no mundo virtual", reforça Rodrigues. Para o banco de dados recém-lançado, o investimento estimado é de R$ 1 milhão, oriundos de investimento interno. Dados da companhia mostram que são colhidos semanalmente informações em mais de 1,5 bilhão de sites ao redor do mundo – o que equivale a um volume de 7 petabytes - usando o processamento em nuvem que, em alguns casos, levanta mais de 10 mil servidores simultaneamente. Só no Brasil, a BigDataCorp monitora 28 milhões de sites e endereços.




Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Palo Alto: É um erro enorme repetir o passado e não tornar a nuvem aberta de verdade

"A nuvem tem de ser aberta, multicloud e não ter complexidade para os sistemas se falarem. Fizemos isso lá trás e foi um prejuízo. Não podemos errar porque nuvem é crucial no 5G", adverte Marcos Oliveira, diretor geral da Palo Alto Networks no Brasil. A empresa aposta suas fichas no 5G e num novo desenho para o mercado de segurança de redes.

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site