Home - Convergência Digital

IGTI tem mais de seis mil bolsas subsidiadas para TI

Convergência Digital* - 15/06/2020

Com o trabalho remoto e a necessidade de inclusão digital acelerados com a pandemia de coronavírus, os investimentos em tecnologia tornam-se cada vez mais imprescindíveis, e com isso a necessidade de capacitação dos profissionais também aumenta.

A área de tecnologia é uma das que mais cresce no Brasil nos últimos anos. Porém, quando se trata de investimento em capacitação profissional, a busca por aprimorar os conhecimentos nas diversas áreas relacionadas ao mercado de TI ainda é inferior ao crescimento do mercado. Segundo levantamento do IGTI, escola de pós-graduação a distância voltada para as áreas de tecnologia e inovação, mais de 90% dos profissionais do setor percebe que exige uma carência de conhecimento em tecnologias emergentes. Mas apenas 35% se mobiliza para buscar capacitação, o que reflete um campo enorme de possibilidades para quem quer se capacitar.

Considerando este cenário, o IGTI enxergou uma nova oportunidade de ajudar na capacitação profissional, adotando um novo posicionamento e, com isso, criou um um Programa de Bolsas para Bootcamps, que visa formar profissionais em carreiras de base tecnológica, de forma muito acessível. "O Brasil passa por um déficit de mão de obra qualificada na área de tecnologia, o que com a pandemia ficou mais evidente e também mais urgente. Por isso, estamos investindo cada vez mais na criação dos programas de bootcamps em diferentes áreas da TI, a fim de garantir formação prática e de qualidade para estas pessoas e ajuda no incremento da economia do País." afirma Vinicius Bozzi, CEO do IGTI.

O programa é subsidiado para o aluno, que arca com uma pequena taxa de matrícula, no valor de R$ 100. "Com a manutenção permanente do nosso programa de bolsas, queremos criar uma ponte para preparar e conectar pessoas de todo País para atuar profissionalmente nas melhores empresas de tecnologia. Além disso, o IGTI segue com os programas de pós-graduação e formação avançada, no modelo tradicional pago pelo aluno, para os profissionais que querem tornar-se especialistas e ocupar posições de liderança no mercado de tecnologia." afirma Guilherme Cavalieri, diretor acadêmico do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação.

Para a próxima edição do programa, cuja as aulas têm início na primeira semana de julho, o IGTI, apresenta 13 bootcamps para formar profissionais nas carreiras de Programador de Software para Iniciantes, Desenvolvedor Phyton, Desenvolvedor Full Stack, Desenvolvedor de Business Intelligence, Desenvolvedor Mobile Apps, Desenvolvedor Salesforce, Profissional Devops, Arquiteto de Cloud Computing, Analista de Machine Learning, Cientista de Dados, Analista de Banco de Dados, UX Designer e Analista de Cybersecurity. São oferecidas 500 vagas para cada modalidade e os interessados podem se inscrever no site.

Os cursos terão duração de 2 meses e carga horária de 148 horas, oferecidas 100% online. Com uma abordagem prática e intensiva, o programa permite uma rápida capacitação nas principais tecnologias abordadas no mercado. Para participar é necessário ser maior de 18 anos e obter qualificação em uma prova online de lógica e fundamentos de programação. As inscrições estão abertas até o dia 30 de junho e as vagas serão preenchidas pelos candidatos aprovados na prova qualificatória, por ordem de matrícula.

Serviço:
Bootcamps em tecnologia
Inscrições até 30 de junho pelo site: http://www.igti.com.br/custom/bootcamps-gratuitos/
Início dos cursos: 02 de julho
Áreas de capacitação: Programador de Software para Iniciantes, Desenvolvedor Phyton, Desenvolvedor Full Stack, Desenvolvedor de Business Intelligence, Desenvolvedor Mobile Apps, Desenvolvedor Salesforce, Profissional Devops,Arquiteto de Cloud Computing, Analista de Machine Learning, Cientista de Dados, Analista de Banco de Dados, UX Designer e Analista de Cybersecurity.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/10/2020
Microsoft promete 5,5 milhões de vagas em cursos TI em plataforma suspensa pelo governo Bolsonaro

07/10/2020
USP abre vagas para mestrado em Ciências de Computação

16/09/2020
ACSoftware oferece 10 bolsas para capacitação profissional na Trilha DevOps da Jornada Learning

15/09/2020
Dell e IOS abrem cursos gratuitos para jovens e pessoas com deficiência em Campinas, RJ e Porto Alegre

14/09/2020
Estação Hack do Facebook abre 19 mil vagas gratuitas para curso de empregabilidade e inovação

10/09/2020
Meta oferece 350 vagas para TI. 21 delas para fora do Brasil

08/09/2020
CESAR School de Manaus abre inscrições para pós-graduação em Testes Ágeis

04/09/2020
Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

31/08/2020
CESAR abre inscrições para capacitação a distância em TI

24/08/2020
Contratações de pessoal cresceram 34% em julho

Desafio nacional: identificar os dados efetivamente valiosos ao negócio

Pesquisa da IDC mostra que quase a metade companhias pesquisadas no Brasil admitiu ter dificuldade para encontrar talentos e recursos responsáveis pelas análises das informações.

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Futuro sem aposentadoria – qual a saída?

Por luis Macedo*

O futuro financeiro nunca foi tão incerto. A aposentadoria "oficial", pelo INSS, fica cada vez mais distante para muitas pessoas, especialmente porque o mundo do trabalho mudou. Uma alternativa para uma parcela significativa da população que não tem carteira assinada são os fundos de previdência. O problema, no entanto, é a infinidade de fundos que existem.

Destaques
Destaques

Ministério Público: Teletrabalho exige direito à desconexão

Ministério Público do Trabalho elaborou uma nota técnica direcionada para as “empresas, sindicatos e órgãos da administração pública”.  Na orientação, sugere a adoção de etiqueta digital para orientação de patrões e empregados.

Dos 10% em teletrabalho no Brasil, maioria é branca, tem diploma e maior renda

Segundo o Dieese, 8,4 milhões de brasileiros trabalham de casa por conta da pandemia de Covid-19. Proporção chega a 22% dos trabalhadores em Brasília, mas não passa de 3% no Pará. 

Um em cada cinco servidores públicos será substituído por robô no Brasil

A Escola Nacional de Administração Pública estima que, por conta da Transformação Digital, a automação deverá substituir cerca de 100 mil postos de trabalho no Serviço Público Federal nos próximos cinco a 10 anos, sendo que a metade deles terá menos de 50 anos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site