08/06/2020 às 17:30
Carreira


Covid-19: Brasil sabe fazer software para 'jogar o jogo' global do digital
Ana Paula Lobo e Luís Osvaldo Grossmann

Não faltam projeções sobre o tamanho da demanda brasileira para profissionais de tecnologia. Como apontou o professor, cientista e empreendedor ,Sílvio Meira, ao participar do CD Em Pauta, só no Porto Digital há, neste momento, 80 vagas para engenheiro de software de crise política, econômica e sanitária. Segundo ele, quando o ambiente favorece que a carreira em software entre no imaginário, a resposta acontece. 

“À medida que mais empresas brasileiras olham para o mundo, vai demandar mais competências e mais gente competente. E isso leva a uma exigência ao setor educacional de formar mais gente. Nos últimos 20 anos no Recife, a carreira do profissional digital se tornou tão imersa na sociedade, por tudo que aconteceu no Porto Digital, que hoje é indistinguível do ponto de vista de nota mediana para ingresso de entrada na universidade dos alunos de informática e dos alunos dos principais curso. Entrar em informática é tão competitivo quanto os melhores cursos. Então aqui já existe um imaginário, a ideia de que há uma possibilidade gigantesca de carreira em informática”, contou.

"Tem escolas técnicas que preparam escrever código no ensino médio. Mas essa é uma construção de décadas. Precisa de estratégia, tempo e paciência. Poderia ser acelerado criando mais incentivos, políticas públicas, criando o desafio de empresas brasileiras globalmente competitivas de software, de digital, de sistemas de informação, de games, de animação, de visualização, de analytics, de big data, de nuvem. O universo para a gente competir é imenso. Ninguém da conta desse universo inteiro, uma única empresa digital. E é ótimo que seja assim. Significa que cada um de nós, no seu lugar e a partir dele, pode ser globalmente competitivo.”

Replicável, a boa experiência combina conhecimento e empreendedorismo. “Precisa de capacidade empreendedora, que a gente pode construir; inglês, que a gente pode aprender; codificação, que a gente aprende também. E para os estudos de design, e diria a mesma coisa pros de software, obviamente design. A gente precisa criar o imaginário. As pessoas descobrirem que tem carreiras de longo prazo, de décadas”, disse. “O mundo está escrito em software. Daqui para frente vamos ter cada vez mais bits junto de átomos. Tudo é software, ad infinitum.” Assistam a participação de Silvio Meira sobre capacitação e software.


Powered by Publique!