INTERNET

Autor do PL das 'fake news' sugere cortar imposições às plataformas e deixar debate para CGI.br

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/06/2020 ... Convergência Digital

Para evitar um dos pontos mais controvertidos do projeto de lei sobre ‘fake news’, o autor do PL 2630/20 no Senado Federal, Alessandro Vieira, propôs a retirada do texto dos artigos que tratam de obrigações impostas às plataformas online na moderação de conteúdo, bem como as agências de checagem de fatos. 

“Um ponto que gerou bastante ruído, porque não tem consenso técnico global é a questão da moderação de conteúdo e a checagem dos fatos. Apresentamos como sugestão ao relator a supressão de todo aquele texto, muito forte ali no artigo novo, tudo aquilo fica retirado para uma discussão posterior”, afirmou o senador Alessandro Vieira ao participar de debate nesta segunda, 1º/6, promovido pela Frente Digital, uma frente parlamentar pela economia digital. 

A ideia, explicou, é deixar essa parte para um debate mais aprofundado, coordenado pelo CGI.br “A gente sugere que se encaminhe a um grupo de trabalho a ser montado e conduzido pelo Comitê Gestor da Internet para que em 12 meses apresente proposta de um código de conduta para plataformas e checadores de fatos no tocando à desinformação”, completou. 

Entre elas, o projeto de lei determina que os provedores de aplicação, por exemplo Facebook ou Whatsapp, devem “rotular o conteúdo desinformativo como tal”, e ainda “interromper imediatamente a promoção paga ou a promoção gratuita artificial do conteúdo”. Para saber o que é informação correta, há um grande empoderamento das chamadas agências de verificação, ou checagem. Não por menos, a principal preocupação de entidades de direitos digitais é que projeto obriga as plataformas a fazer filtragens de conteúdo. 

“É fundamental que seja possível construir mecanismos de regulação dessas empresas. A grande discussão é regular sobre o que, a partir de que princípios. Nós nos filiamos às iniciativas a combater a desinformação. Mas ela não precisa ser feita a partir da regulação de conteúdo, especialmente uma vez que será por agentes privados, sejam redes de conteúdo ou agencias de checagem”, pontuou Bia Barbosa, da Coalizão Direitos na Rede. 

No Senado, o colégio de líderes marcou a votação do projeto em Plenário já nesta terça, 2/6. Como alerta Bia Barbosa, é um movimento prematuro uma vez que não se conhece ainda o texto que será submetido aos senadores. “Se relator não incorporar as sugestões [do autor], se incorporar criminalização de condutas, como tem defendido. Precisa incorporar os disseminadores externos, contratados para milhões de disparos. Marcar para amanhã um texto que não se conhece na véspera é um atropelo”. 


Revista Abranet 31 . maio-julho 2020
Veja a Revista Abranet nº 31
A pandemia da Covid-19 fez a rotina mudar num piscar de olhos. E coube à internet mostrar a sua força. O aumento significativo do tráfego de dados por conta do teletrabalho e do isolamento social foi uma realidade assustadora. Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

80% das vendas corporativas serão digitais até 2025

Nos próximos cinco anos, um aumento exponencial nas interações digitais entre compradores e fornecedores quebrará os modelos de vendas tradicionais. Quase 40% dos compradores preferem experiência sem vendedor.

Em parceria com CGI.br, USP cria cátedra de Internet

O acordo de 5 anos também prevê seminários, debates, publicações. CGI.br destinará R$ 2,5 milhões para bolsas de estudo e atividades. 

Oracle derrota Microsoft na disputa pela chinesa TikTok

Segundo informações do Wall Street Journal, operações do TikTok nos EUA, suspensas após China reagir com mudanças nas regras de controle, vão se transformar em "parceria tecnológica de confiança". 

PF prende homem que aplicou 1,3 mil entregas falsas pela internet

Dono de loja de informática no Paraná vendia em plataforma de comércio eletrônico e enviava caixas vazias ou com sucata há pelo menos seis meses. 

Justiça manda 'youtuber' divulgar direito de resposta para emissora de TV

Acionado pelo grupo Bandeirantes, canal bolsonarista queria publicar resposta na descrição do vídeo, mas TJSP determinou que "seja publicado em vídeo, com o mesmo destaque da matéria objeto da demanda".



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G