Convergência Digital - Home

Sob alegação de custo, empresas brasileiras desistem de aplicações na nuvem pública

Convergência Digital
Da redação - 25/05/2020

Um estudo da Nutanix mostra que 91% das empresas brasileiras concordam que a nuvem híbrida é a infraestrutura ideal do futuro. O País supera a média global (85%) e regional (Américas). Apenas o México nos ultrapassa nesse quesito, com 93% dos entrevistados citando a nuvem híbrida como modelo ideal.

A maioria dos entrevistados do ECI a citou como o modelo de TI "ideal", com 85% dos entrevistados globais selecionando-o como o melhor modelo em 2019 e 91% selecionando-o em 2018. O levantamento da Nutanxix foi realizada no final de 2019 pela Vanson Bourne e ouviu 2.650 tomadores de decisão da área de TI em todo o mundo e abrangeu vários setores, empresas de vários tamanhos em diferentes continentes: Américas; Europa, Oriente Médio, África (EMEA); e região Ásia-Pacífico (APJ).

Apesar do entusiasmo global, planos de curto prazo para desativar data centers tradicionais em favor de nuvens híbridas paralisaram de 2018 para 2019. Em vez disso, houve uma mudança significativa de volta para data centers não habilitados para nuvem, acompanhada por um movimento generalizado de aplicações de serviços de nuvem pública para uma infraestrutura local. O uso geral de data centers tradicionais, não habilitados para nuvem, em cerca de 12% em 2019, mais de 20%, do que os entrevistados do ECI de 2018 haviam projetado (o cálculo foi que ocorreria uma baixa).

Profissionais de TI no Brasil relataram movimentos semelhantes, mas seguiram a tendência projetada com resultados bem melhores do que a maioria dos países. Os entrevistados brasileiros relataram aumentar o uso de data centers em quase 11 % em vez de diminuir o uso em cerca de 31% como projetado em 2018. No entanto, o Brasil conseguiu aumentar sua adoção de nuvem híbrida em quase 7 pontos, ao contrário da grande maioria das outras nações cuja média manteve-se plana ou foi diminuída.

‘Repatriação’ é tendência na nuvem pública

Um número substancial de empresas brasileiras está "repatriando" aplicações da nuvem pública e trazendo-as de volta ao País. Mais de três quartos dos entrevistados brasileiros (78%) relataram ter iniciativas de repatriação - o que representa cerca de 6 a 8 pontos percentuais acima das médias global e das Américas, respectivamente. Os dados da pesquisa ECI indicam vários motivos possíveis para o descontentamento com os entregas, incluindo uma necessidade em toda a indústria por uma melhor mobilidade entre aplicações, ferramentas gerenciamento entre nuvens e segurança.

Outros motivos têm a ver com a nuvem pública custando mais do que o esperado; ano após ano, cerca de 35% dos entrevistados da ECI relatam um custo excessivo com suas despesas em nuvem pública. As empresas brasileiras relatam um cenário similar, com 35,39% relatando excedentes em 2019, mas esse número subiu significativamente no ano a ano, pois era de 21,6% em 2018.

Também deve-se notar que, daquelas relatando excedentes em 2019, menos de 2% estavam “muito acima do orçamento”. Quando se trata de quão bem a nuvem pública está atendendo às expectativas da empresa, mais de um terço das empresas brasileiras (38,46%) disse que a nuvem pública estava "completamente" atendendo às suas necessidades.

“Esse relatório é de suma importância para que os tomadores de decisão do segmento nacional de TI tenham dados confiáveis das tendências para usarem como base em seus planejamentos” declarou Leonel Oliveira, diretor-geral da Nutanix no Brasil. “A hiperconvergência é um fenômeno que está cada vez mais solidificado, sobretudo em tempos que exigem que as aplicações sejam acessadas de qualquer lugar", acrescentou o executivo.


Recrutadores e a dura tarefa de contratar cientistas de dados

O maior gargalo é encontrar profissionais adequados às demandas das empresas e o Brasil, hoje, é um exportador de talentos para outros países.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.

Jornada para a nuvem: evite as armadilhas e faça a coisa certa

Por Fábio Kuhl*

Até bem pouco tempo, a nuvem era inovação, hoje me arrisco a dizer que, em breve, uma commodity.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site