Clicky

Telecom e Internet: Serviços sem pagamento geram quebradeira e desconexão em massa

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/04/2020 ... Convergência Digital

Empresas de telecomunicações de diferentes portes, desde grandes operadoras a pequenos provedores, são unânimes em apontar para o risco da inadimplência como a maior preocupação do setor na crise do coronavírus. Em conferência promovida nesta quinta-feira, 09/04, pela XP Investimentos, empresas e entidades avisaram que se houver choque no fluxo de caixa, haverá falhas na conectividade, não apenas essencial como responsável por sustentar a atividade econômica durante o isolamento social.

“Se a gente quebra a fonte de receita das empresas, gera um caos em toda a cadeia. Pequenas operadoras compram links de operadoras médias e de grandes operadoras. Todo o ciclo da oferta de banda larga está relacionado. Quando se trata de iniciativas de continuidade da oferta de serviços independentemente do cliente estar adimplente, temos que pensar no caos financeiro e social que isso pode causar. Se quebra a perna financeira e impacta o fluxo de caixa de forma repentina, como no caso da Covid-19, é um desarranjo que geraria desconexão em massa”, afirmou a diretora jurídica da Abrint, entidade que representa pequenos provedores, Cristiane Sanches. 

Nas grandes, o temor é semelhante. “Temos sérias preocupações com a renda em geral e com a possibilidade de postergação de pagamento. Já existe queda de receita nas recargas do pré-pago,  o pós-pago também tem dificuldades, e ao mesmo tempo ampliamos a capacidade da rede em 15% por conta do coronavírus. E no entanto temos esses projetos que resultariam em falta de receita que não daria para manter o sistema. Hoje não é exagero dizer que o país está em cima da nossa rede”, destacou o vice-presidente de relações institucionais da Claro, Fabio Andrade. 

Como indicou o SindiTelebrasil, sindicato nacional das operadoras, a preocupação é de todas. O presidente-executivo da entidade, Marcos Ferrari, admtiu que as várias iniciativas descoordenadas  preocupam. Segundo ele, há rojetos de leis nos estados; liminares sendo concedidas nas esferas judiciais; governadores baixando decretos sobre telecomunicações - que não é uma competência estadual, mas uma atividade regulada exclusivamente pela União; e ainda há alguns projetos no Congresso Nacional, numa mesma direção: proibir a suspensão dos serviços nos próximos 90 dias, em média. "Isso pode gerar um risco para o funcionamento da rede. A rede funcionando depende de um fluxo de caixa para funcionar, o fluxo de caixa depende de receita. Se alguma peça dessa engrenagem falhar, pode ter algum tipo de risco para a população e para a economia neste momento", advertiu Ferrari.

O presidente da Telcomp, João Moura, apontou que a proliferação de movimentos no mesmo sentido reflete uma visão distorcida das telecomunicações. “O setor não é muito bem compreendido por políticos e formadores de opinião. Eles entendem que não precisa pagar, que é como energia ou água. Mas esses são monopólios. Se a demanda cai, reajusta a tarifa e restabelece o equilíbrio econômico. Em telecom não tem isso. Se não pagar, coloca em risco essa cadeia que tem sido extremamente importante. Portanto esse é problema crítico, porque precisamos continuar investindo e melhorar os serviços. Até porque muita coisa mudou pela crise e não será revertida depois. O tráfego não vai voltar ao que era.”

Como completou Carlos Eduardo Sedeh, presidente da Megatelecom, focada em serviços B2B, além de as decisões e propostas não levarem em conta a realidade do mercado, não se viu, por outro lado, nenhuma iniciativa que procurasse reduzir a conta dos serviços pelo viés dos tributos. “Não vimos nenhum governador sugerir retirar o ICMS da conta para que ela fique mais barata para os clientes.”


Internet Móvel 3G 4G
Teles: restrição a fornecedores é um risco ao 5G e aos consumidores

Por meio de um comunicado da Conexis Brasil Digital, as teles advertem que está se criando um ambiente de incertezas com relação ao 5G; lembram que possuem 'grande experiência nos mais elevados e críticos quesitos de privacidade e segurança de rede; e ressaltam que é preciso transparência para atrair investimentos ao País.

Anatel encerra ciclo de TACs em acordo fraco com Algar

Depois de fracassar na troca de multas por investimentos com Oi, Vivo e Claro, agência contabilizou sucesso somente com a TIM e permitiu à Algar cortar mais da metade do acerto inicialmente firmado. 

Anatel renova faixa de 850 MHz para Vivo, mas nega pedido de redução de preço

Empresa renovou apelo ao regulador para que fosse aplicada a regra do preço público ou ônus de 2%, ambos abaixo do valor de mercado.

STF julga inconstitucionais leis de BA e RJ sobre créditos pré pagos e cobrança de serviços

Mais uma vez, Supremo ressaltou que, ainda que importantes ações em defesa dos consumidores, normas estaduais não podem invadir a competência privativa da União de legislar sobre telecomunicações. 

Portabilidade: Claro é a tele com mais adesões. Oi e TIM cedem assinantes

Oi, na fixa, e TIM, na móvel, foram as operadoras que mais cederam assinantes com a possibilidade de troca de empresa mantendo o mesmo número. Já a Claro foi a operadora que mais ganhou clientes nos 12 anos do serviço.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G