Defesa Cibernética: 5G do Brasil deve resistir a riscos de qualquer empresa ou nação

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/02/2020 ... Convergência Digital

Ao discutir os riscos de segurança relacionados à implantação do 5G no Brasil, o comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amin Naves, ressaltou que cabe ao país tomar as medidas que entender necessárias para restringir ações indesejáveis sobre as redes de telecomunicações. Questionado sobre o discurso dos EUA contra fornecedores de equipamentos chineses em geral, e da Huawei em especial, o general lembrou que o risco existe seja qual for o fornecedor estrangeiro. 

“Qualquer empresa, de qualquer país, tem condições de executar ações adversas. O que importa é que as empresas que vierem a participar tenham imposições de segurança e confiança”, defendeu o general Amin ao participar de debate promovido pelo Interlegis nesta quarta, 18/2. “Mas nada disso é razão para bloquear ou banir qualquer empresa, porque qualquer uma pode fazer a mesma coisa. É uma questão de nós nos preparamos para nos opor a isso.”

Ele defende, porém, que essa preparação inclua medidas desde o edital do 5G. “No 5G o que é preciso fazer, na visão da defesa de segurança cibernética, é adotar medida de resiliência desde o momento dos leilões de frequência. Medidas de resiliência cabíveis para nos opormos a essa situação, por exemplo, restringir participação de empresas controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro, impor medidas de represália contratuais e legais severíssimas no caso de ação espúria intencional identificada”, apontou. 

Ele é favorável ao limite de participação de fornecedores, especialmente no core de rede. “Que nenhuma empresa tenha domínio significativo de todo o backbone do 5G. Podemos também diminuir a influência de empresas que sejam controladas, por posse ou legislação, por qualquer governo estrangeiro. Podemos estruturar o sistema de forma a termos uma divisão de frequência e de áreas com recobrimento de maneira que se alguma tiver problema outra possa cobrir”, enumerou o comandante de defesa cibernética. 

Uma sugestão já apresentada ao governo é a adoção de um ente público – uma empresa estatal, ou uma agência – que atue como integrador da rede. “Uma medida seria ter uma integradora nacional, preferencialmente sobre controle do governo, que possa não só integrar o sistema todo, garantir o serviço, mas que possa também auditar, fiscalizar.”

Assista ao posicionamento do comandante de Defesa Cibernética, general Guido Amim Naves.


Internet Móvel 3G 4G
Comissão Europeia pede ações urgentes para ter 5G o quanto antes

Entidade pede ações comuns aos países da comunidade europeia e pedem, entre outros itens, a revogação de burocracias impostas à implantação de redes 5G. "Internet de banda larga é uma aposta geoestratégica. Não podemos atrasar", disse o comissário da CE, Thierry Breton.

Copel Telecom marca privatização para novembro e quer R$ 1,4 bilhão

Edital de venda do braço de telecomunicações da estatal paranaense de energia é previsto para 21/9. Empresa tem 34 mil km de fibras em 399 municípios. 

Oi diz à CVM que movimento de ações se deve a aprovação de plano e venda da móvel

Comissão de Valores Mobiliários perguntou o motivo das oscilações recentes nos papéis da operadora, com quedas superiores a 7% seguidas de aumentos de 9%. 

Claro tenta resgatar TV paga com planos alternativos a não clientes

Com metade do mercado nacional de TV por assinatura, o presidente da empresa, José Félix, diz que fará lançamentos nos próximos dias. “A TV está sofrendo alterações e vamos lançar de imediato um novo serviço.”

5G com maior carga tributária do mundo é telhado sem alicerce

“A sociedade quer conectividade total, 5G, dispositivos diferentes a qualquer hora, qualquer lugar. Mas estamos assombrados pelo risco de aumentar ainda mais a carga tributária com a reforma atual”, afirma a presidente da Feninfra, Vivien Suruagy, no Painel Telebrasil 2020.

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G