Convergência Digital - Home

Angola Cables: Baixíssima latência já faz a diferença no negócio de data center

Convergência Digital
Ana Paula Lobo e Rafael Mariano - 14/11/2019

A Angola Cables não é uma empresa de cabo submarino ou de datacenter, ela é uma companhia que vende infraestrutura e capacidade e toda evolução da tecnologia- que demanda consumo de dados - é muito bem recebida, com o 5G e a Internet das Coisas, afirma o country manager da Angola Cables, Victor Costa.

O executivo, que participou do XII Seminário TelComp 2019, realizado no dia 12 de novembro, em São Paulo, diz que o momento da empresa é o de consolidar os investimentos feitos - em torno de US$ 300 milhões- e fazer a realização dos lucros.

"Temos o que o mercado está procurando que é a baixíssima latência. Como temos um cabo muito novo e um datacenter de última geração oferecemos 60 milissegundos de latência na rota para Luanda, Angola, o que é muito baixo. E temos outro cabo chegando, que é o Monet, que vai a Flórida e São Paulo. A baixíssima latência é um diferencial relevante nos nossos negócios", conta Costa.

Recentemente a Angola Cables fechou uma parceria com a DE-CIX, marca líder mundial em serviços de interconexão, detentora de uma vasta gama de serviços premium de interconexão a uma variedade de IXs neutros para operadoras e datacenters, interligando mais de 100 países e 1.700 operadoras em todo o mundo. O objetivo é o de expandir capacidades e impulsionar negócios de provedores de Internet via ligações Sul-Sul pelo Atlântico.

À CDTV, do Convergência Digital, o country manager da Angola Cables diz que o melhor para o mercado de datacenters no Brasil será a economia voltar a crescer. Mas observa que se há uma estratégia para incentivar a chegada de outros datacenters é relevante pensar no custo do insumo. "Energia elétrica é a alma de um data center e o custo está absurdo. A melhor política pública seria a de reduzir esse custo, principalmente nos Estados que cobram o ICMS", observa. Assista a entrevista com Victor Costa.


Cientista de dados vai muito além de um analista de BI

São os cientistas de dados que têm capacidade de levar milhares de variáveis em consideração para definir a melhor tomada de decisão, pontua Luiz Malere, gerente de customer advisor e inovação do SAS.

Destaques
Destaques

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Levantamento da Serasa Experian mostra ainda que 42% das companhias brasileiras admitem perder dinheiro com a má qualidade das informações. Má governança é vista como um desafio a ser superado. O mais grave: mais de 70% destão sem estratégia para superar essa etapa.

Dataprev vai comprar Inteligência Artificial e exige uso da nuvem pública

Estatal de TI não revela o montante a ser pago, mas diz que contrato será de 24 meses e inclui capacitação técnica dos funcionários, no modelo de serviços por demanda. Propostas devem ser enviadas até o dia 20 de julho.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.

Transformação digital exige eficiência no gerenciamento

Por Luiz Fernando Souza*

Prevenir é sempre melhor do que remediar. Essa é uma máxima que precisa ser aplicada à transformação digital, e vale quando falamos da gestão dos servidores. E as razões são simples: é menos sofrido, menos dolorido e mais barato manter uma rotina de trabalho focada na manutenção, preservando com inteligência dados e sistemas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site