Home - Convergência Digital

Mutant anuncia compra da Interaxa e expande atuação na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital - 13/08/2019

A Mutant, empresa brasileira especializada em experiência do consumidor, anunciou a compra  da argentina Interaxa, um dos players da América Latina como integrador global de soluções e tecnologias de atendimento, com objetivo de agregar novas soluções ao portfólio. O valor da transação não foi revelado. Com esta nova aquisição, a empresa aponta faturamento previsto de 600 milhões de reais neste ano. “Naturalmente, oferecer soluções inovadoras para os clientes faz parte da nossa estratégia e fazemos isso de uma maneira muito singular, com objetivo de gerar valor de maneira ainda mais ampla”, afirma Alexandre Bichir, CEO da Mutant.

A expertise da Interaxa, que possui 15 anos de existência, é focada em vendas e fidelização, por meio de soluções de Roteamento, Otimização de Recursos e Social Media. A companhia tem como um dos diferenciais o serviço de WhatsApp Business. O aplicativo já tem 5 milhões de instituições cadastradas e é utilizado por 1,5 bilhão de usuários em todo mundo. O Brasil é o segundo maior mercado, ficando atrás apenas da Índia.

A operação expande a presença da Mutant para novos territórios – além do Brasil, Portugal e Estados Unidos, agora passa a atuar na Argentina, Colômbia, Uruguai, Paraguai e Chile, fortalecendo as atuais cinco verticais de negócio: Consultoria, Digital, Processos & Performance, Qualidade & Insights e Desenvolvimento de Software.  Atualmente, a Mutant possui 200 clientes em seu portfólio - entre eles as maiores empresas de telecom, varejo e bancos do país. Esta aquisição ocorre logo após a conclusão da captação de US$ 165 milhões em conjunto entre a Permira - private equity britânico, que possui 33 bilhões de dólares investidos em mais de 20 países; o Canada Pension Plan Investiment Board (CPPIB); e Adams Street, empresa com 40 anos de experiência em investimentos dessa natureza.

Essa é a quinta aquisição nos últimos três anos e a segunda realizada nos últimos 11 meses. Depois da Dextra (2018) e Interaxa, a empresa prevê finalizar mais duas compras até o final deste ano, com foco em frentes principais de crescimento estratégico. Segundo Bichir “Temos um crescimento orgânico bem claro e definido, realizando cross sell e up sell dentro da nossa carteira de clientes e uma frente de aquisições agressiva e “always on”. Ou seja, nosso processo de M&A acontece continuamente e, dentre as empresas que estamos conversando, há uma grande possibilidade de novas aquisições até o final do ano.”

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/02/2020
Tribunal de Justiça suspende regulamentação do Uber no Rio de Janeiro

13/02/2020
Na guerra do streaming, YouTube reina absoluto com 70% da atenção nos celulares

05/02/2020
Turma do TST nega vínculo de emprego entre Uber e motorista

03/02/2020
TJSP: iFood é responsável por furto cometido em entrega

03/02/2020
Fintechs, empresas de internet e consumidores pedem ajustes em regras do Open Banking

30/01/2020
Aplicativo do governo mostra devedores da União e FGTS

24/01/2020
Com apps ecológicos, equipes do Brasil vencem concurso da NASA

16/01/2020
Distrito Federal e Paraná aderem ao Táxigov, o app de transporte do governo

14/01/2020
Distrito Federal proíbe entrada de relógios inteligentes nas prisões

13/01/2020
Startup Grudi cria plataforma de serviços para o mercado imobiliário

Destaques
Destaques

Governo do Brasil ainda avalia restringir Huawei na implantação do 5G

MCTIC estuda a publicação de um novo Decreto, ou em forma de Portaria, com normas para cibersegurança específicas para o setor de telecomunicações. A estratégia Nacional de Segurança Cibernética, recém-lançada pelo Governo, tratou - de forma genérica- o tema 5G.

5G exigirá uso de requisitos mínimos de Segurança Cibernética

Tecnologia é apontada como 'uma revolução na comunicação de dados, no potencial de emprego de equipamentos de Internet das Coisas e na prestação de novos e disruptivos serviços".

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site